Powell: “Percurso ligeiramente mais modesto para as taxas deverá apoiar a economia”

O presidente da Fed falou sobre alguns sinais de abrandamento e afirmou que “a economia irá crescer de uma forma que irá requerer dois aumentos durante o ano” ao invés das três subidas previstas anteriormente.

A Reserva Federal dos Estados Unidos  vai implementar um ritmo mais suave nas subidas das taxas de juro no próximo ano  de forma a apoiar a maior economia do mundo, que apesar de estar de boa saúde tem demonstrado alguns sinais de fraqueza em relação às expetativas, afirmou Jerome Powell, presidente da instituição esta quarta-feira.

Depois da reunião de dois dias, na qual o Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC) aumentou a federal funds rate, como esperado e pela quarta vez este ano, e reviu em baixo as projeções do banco central para a economia norte-americana, Powell explicou, em conferência de imprensa, o rumo da política monetária para 2019.

“Apesar do quadro económico robusto e a nossa expetativa para um crescimento saudável, temos visto desenvolvimentos que sinalizam algum suavizar, relativamente ao que esperávamos há uns meses”, referiu. “Ao mesmo tempo, a volatilidade nos mercados financeiros aumentou nos último par de  meses, e as condições gerais de financiamento ficaram mais apertadas, ou seja, dão menos suporte ao crescimento”.

Powell explicou que esses desenvolvimentos não mudaram fundamentalmente as perspetivas, mas salientou que a maioria dos membros do FOMC reviu em ligeira baixa as projeções para o crescimento e para a inflação no próximos anos.

“As projeções também demonstram um percurso ligeiramente mais modesto para a federal funds rate, algo que deverá apoiar a economia e manter-nos perto dos nossos objetivos”, salientou.

No final da reunião de dois dias, a instituição liderada por Powell anunciou o aumento de 25 pontos base, fixando os juros de referência para um intervalo entre 2,25% e 2,50%.  Apesar das críticas do presidente norte-americano, Donald Trump, à condução da política monetária do banco central, esta é a quarta subida, após o último aumento em setembro, e o nono desde 2015, altura em que colocou fim à política de taxa zero em vigor durante sete anos.

A Fed sinalizou que deverá fazer dois aumentos da taxa de juro diretora em 2019, face à anterior previsão de três aumentos. “Revimos ligeiramente em baixa e agora acreditamos que a economia irá crescer de uma forma que irá requerer dois aumentos durante o ano”, salientou.

Num final de ano que está ser de nervosismo e volatilidade nos mercados financeiros, os analistas e investidores procuram sinais do banco central sobre o rumo da política monetária para orientar as decisões.

[Atualizada às 19h54]

Relacionadas

Reserva Federal deverá fazer duas subidas nas taxas de juro em 2019, segundo o ‘dot plot’

O gráfico que sinaliza as intenções dos membros do Comité Federal de Mercado Aberto aponta para dois aumentos na ‘federal funds rate’ em 2019, após o banco central norte-americano ter confirmado a quarta e última subida deste ano.

Fed revê em baixa projeções para a economia dos EUA: PIB cresce 2,3% em 2019

Numa nota publicada esta quarta-feira, após o fim da reunião de dois dias do Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC), a instituição liderada por Jerome Powell, projeta um abrandamento da economia até 2021.

Sem surpresas, a Fed sobe taxa de juros pela quarta vez este ano

Aumento fixa intervalo da taxa diretora entre 2,25% e 2,50%, numa decisão já esperada pelos analistas. Atenções centram-se agora no discurso de Jerome Powell, com os mercados expectantes sobre o rumo da política monetária no próximo ano.
Recomendadas

Barril de petróleo russo limitado a 60 dólares após acordo entre G7 e Austrália

Após acordo alcançado pela União Europeia, os países do G7, juntamente com Austrália, concordam com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo. Moscovo repete que não aceita.

Redução da produção de petróleo? “Necessária e correta”, diz OPEP+

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados (OPEP+) decidiu este domingo continuar a aplicar um corte na produção de petróleo em 2023, uma medida que defendeu ser “necessária e correta”.

PremiumMercados somam e seguem

Índices acionistas encerram em alta em novembro, somando segundo ganho mensal consecutivo.
Comentários