PPM Madeira diz que política do Governo Regional está muito aquém do prometido para o Porto Santo

O responsável pelo partido na Madeira, João Noronha, afirma que a saúde é quase inexistente, que a educação é de bradar aos céus e que os transportes são de fugir.

Para o PPM Madeira a política do Governo Regional está muito aquém do prometido para o Porto Santo. O partido revela preocupação com o estado da saúde, da educação, dos transportes, e com o desemprego neste território.

O responsável do PPM Madeira, João Noronha, considera que a saúde é “quase inexistente” inexistente no Porto Santo, que a educação é de “bradar aos céus” e os transportes “são de fugir”.

João Noronha afirma que o desemprego neste território é “galopante” e que o trabalho precário é “cada vez maior”. O responsável pelo partido na Madeira diz mesmo que o turismo “é cada vez mais sazonal” no Porto Santo.

“Os preços continuam a ser altos para quem pretende passar nem que seja um dia na ilha e usufruir das suas belas praias”, refere João Noronha.

O PPM Madeira alerta que a restauração “lá vai penando” e quanto à insularidade no Porto Santo esta “não é dupla” mas sim “tripla, quartas ou quintas”.

João Noronha considera que “faltam mais embarcações” para levar “os madeirense para porto santo e vice versa”.

Recomendadas

Hoje é celebrado o Dia Internacional da Consciencialização sobre Perdas e Desperdício Alimentar

Na Europa, todos os anos, cerca de 89 milhões de toneladas de alimentos são deitados ao lixo. Em Portugal, estima-se que cada português desperdice cerca de 134 kg de alimentos por ano. Enquanto isto 1/6 da população mundial passa fome.

Madeira: Serviço Regional de Saúde visita Unidade de Ação Social do Hospital Garcia da Orta

A Unidade de Ação Social do SESARAM observou e conheceu a dinâmica e a metodologia de trabalho implementada na UHD do hospital e, em particular, a área de intervenção social.

Madeira: Acordos de gestão entre a Segurança Social e as IPSS vão passar para 20 anos

Neste sentido, com a presente alteração pretende-se adequar a duração dos acordos de gestão que envolvam a cedência de utilização do edificado em regime de comodato, onde sejam desenvolvidas respostas sociais, numa lógica de melhor aproveitamento dos recursos disponíveis.
Comentários