PR diz que acolher refugiados é obrigação da sociedade portuguesa (com áudio)

O Presidente da República considerou hoje, Dia Mundial do Refugiado, que a defesa dos direitos dos refugiados é “uma obrigação” do país e que os portugueses demonstram diariamente “inclusão e tolerância” no acolhimento.

Rodrigo Antunes/Lusa

O Presidente da República considerou hoje, Dia Mundial do Refugiado, que a defesa dos direitos dos refugiados é “uma obrigação” do país e que os portugueses demonstram diariamente “inclusão e tolerância” no acolhimento.

“Portugal e os portugueses têm reafirmado, demonstrando no dia-a-dia, a vocação de abertura, inclusão e tolerância que nos caracteriza”, sustentou Marcelo Rebelo de Sousa num comunicado divulgado na página oficial da Presidência da República na Internet.

Por ocasião do Dia Mundial do Refugiado, o chefe de Estado agradeceu “o esforço individual e coletivo” dos portugueses, que demonstraram no acolhimento de pessoas que fugiram dos seus países por inúmeras razões, como, por exemplo, conflitos ou as alterações climáticas.

O Presidente acrescentou que a defesa dos direitos dos refugiados, “acolhendo-os e integrando-os, é mais do que um imperativo de consciência, é uma obrigação de uma sociedade democrática, plural e com futuro”.

O último ano, disse, tornou ainda mais evidente a realidade de milhões de pessoas em todo o mundo (…). Da Ucrânia, do Afeganistão, de Moçambique, cito apenas três latitudes onde a guerra, a violação dos direitos humanos e as alterações climáticas têm obrigado milhões de pessoas a deslocar-se e procurar proteção”.

De acordo com dados disponibilizados pela Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR), em 2021 havia 89,3 milhões de pessoas deslocadas em todo o mundo, entre as quais 27,1 milhões eram refugiados.

O número deverá ser ainda maior este ano, uma vez que a invasão da Rússia à Ucrânia levou à fuga de milhares de ucranianos para outros países, sem pespetiva de regresso à sua nação.

Recomendadas

Conselho da UE anuncia apoio de 40 milhões de euros para o exército da Moldávia

Este apoio complementa a contribuição europeia de sete milhões de euros, feita em dezembro de 2021, destinada na altura a capacitar o Serviço Médico Militar do Batalhão de Engenharia das Forças Armadas moldavas. 

Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

ONU classifica de “revés” decisão judicial que limita regulação ambiental nos EUA

A ONU considerou que retrocessos em países que produzem grandes quantidades de emissões prejudiciais ao ambiente, como os Estados Unidos, tornam “mais difícil alcançar os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris para um planeta mais saudável e em que se possa viver”.
Comentários