PR moçambicano admite nova plataforma de gás para responder à Europa

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, disse hoje estar em estudo a possibilidade de construir uma segunda plataforma flutuante para extrair e processar gás natural da bacia do Rovuma, ao largo de Cabo Delgado, face à procura na Europa.

“Fizemos a primeira plataforma: qual a possibilidade de fazer mais outra? Há estudos nesse sentido” entre as medidas “para acelerar” a produção daquelas reservas, referiu.

“Tive encontros com empresas que exploram [o gás], italianas, francesas e seus parceiros. Tive encontros para ver o que se pode fazer”, acrescentou.

Filipe Nyusi falava após a V Cimeira entre Moçambique e Portugal, em Maputo, com o primeiro-ministro português, António Costa.

O chefe de Estado respondia a questões sobre como o gás moçambicano (cujas reservas do Rovuma estão entre as maiores do mundo) pode colmatar a escassez na Europa, face à deterioração do fornecimento russo após a invasão da Ucrânia.

Em Moçambique, a bacia do Rovuma tem algumas das maiores reservas de gás do mundo e há três projetos de exploração aprovados, dois que conduzem o gás do fundo do mar para liquefação em terra e um outro em mar alto, com uma plataforma flutuante (designada Coral Sul) autónoma.

Dos três, apenas o mais pequeno, no oceano Índico, está prestes a exportar gás, porque os outros dois (da Total e Exxon Mobil), em terra, estão parados devido à violência armada na província de Cabo Delgado.

A produção do projeto Coral Sul vai ser toda vendida à petrolífera BP durante 20 anos, com opção de extensão por mais 10, ou seja, para satisfazer mais procura, como a que agora surge na Europa, seria necessário arranjar outras formas de extrair e processar o gás do Rovuma, contornando a violência em Cabo Delgado.

Nyusi reconheceu que “há muito mercado, muita procura” e daí os estudos em curso.

O objetivo, esclareceu, é “haver, de certa forma, maior produção, que possa alimentar” o mercado europeu e até africano, concluiu.

Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

Moçambique. Perto de um milhão de pessoas fugiram à violência nos últimos cinco anos

O Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) estimou hoje que perto de um milhão de pessoas tenham fugido às incursões armadas de rebeldes no norte de Moçambique nos últimos cinco anos.

Banco Mundial revê crescimento da África subsaariana em baixa para 3,3% este ano

“Os ventos contrários globais estão a abrandar o crescimento económico africano, com os países a continuarem a lidar com a subida da inflação e as dificuldades no progresso na redução da pobreza”, lê-se no relatório Pulsar de África, hoje divulgado em Washington, nas vésperas dos Encontros Anuais do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI).
Comentários