Praças europeias negoceiam mistas com anúncio do fim do programa de compra de ativos do BCE

O Banco Central Europeu (BCE) confirmou esta quinta-feira que o programa de estímulos financeiros vai terminar no final deste mês. Por cá, o setor da energia e papeleiras penalizam a bolsa nacional.

Reuters/Lucas Jackson

A bolsa nacional está a negociar em queda, a meio da sessão desta quinta-feira, dia 13 de dezembro, contrariando a tendência de abertura. O principal índice do bolsista português, PSI 20, recua 0,41% para 4.822,87 pontos, pressionado pelo setor da energia e papeleiras. A Europa segue mista depois de o Banco Central Europeu (BCE) ter confirmado que o programa de estímulos financeiros vai terminar no final deste mês.

No setor da energia, a EDP recua 0,55% para 3,093 euros, a EDP Renováveis perde 0,71% para 7,730 euros e a Galp Energia desvaloriza 1,92% para 14,015 euros. A Comissão Europeia autorizou esta quinta-feira a operação de aquisição do controlo conjunto do consórcio português Windplus pela EDP Renováveis, pela francesa Engie e pela espanhola Repsol, ao concluir que não levanta problemas a nível de concorrência.

Entre as papeleiras, a Altri deprecia 1,03% para 5,790 euros, a Semapa cai 1,03% para 13,400 euros e a Navigator tomba 0,84% para 3,548 euros.

Em terreno negativo estão ainda a Corticeira Amorim (-0,21%), a NOS (-0,37%), a REN (-0,16%), a Ibersol (-0,72%) e a Sonae (-1,11%).

No ‘verde’, destaca-se a Pharol, que está a disparar 5,06% para 0,187 euros. A cotada está a ser beneficiada pela notícia de que não vai avançar com o aumento de capital já aprovado pelos acionistas. “Mostra assim uma visão conservadora e realista da envolvente económica que a rodeia. Levando os investidores a acreditarem no seu modelo de gestão elevando o preço da ação”, afirma Carla Maia Santos, corretora senior da XTB.

Em alta estão também o BCP (0,61%), os CTT (0,44%), a Jerónimo Martins (0,19%), a Sonae (0,30%) e a Mota-Engil (0,75%).

As restantes praças europeias estão a negociar em terreno misto. O índice alemão DAX ganha 0,13%, o francês CAC valoriza ligeiramente 0,02%, o italiano FTSE MIB aprecia 0,85% e o espanhol IBEX 35 avança 1,04%. Em contraciclo, o holandês AEX recua 0,34% e o britânico FTSE 100 perde 0,17%.

A marcar esta sessão está o anúncio do BCE de que vai manter o plano para finalizar o programa de compra de dívida este ano. O plano tinha sido anunciado em junho e foi confirmado esta quinta-feira. O programa foi iniciado em março de 2015 para impulsionar o crescimento económico e a inflação na zona euro. Desde essa altura, o BCE investiu 2,158 biliões de euros, incluindo 36.514 milhões de euros de dívida portuguesa.

No setor petrolífero, a cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, perde 0,86% para 59,63 euros, enquanto a cotação do crude WTI recua 1,02%, para 50,63 dólares por barril.

No mercado cambial, o euro aprecia ligeiramente 0,02% para 1,138 dólares e a libra perde 0,19% para 1,275 dólares.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa abre em terreno negativo em linha com a Europa

As principais bolsas europeias negoceiam em terreno negativo. O francês  CAC desvaloriza 0,37%, o alemão DAX deprecia 0,33%, o espanhol IBEX recua 0,09%, e o britânico FTSE perde 0,05%.

Barril de petróleo russo limitado a 60 dólares após acordo entre G7 e Austrália

Após acordo alcançado pela União Europeia, os países do G7, juntamente com Austrália, concordam com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo. Moscovo repete que não aceita.

Redução da produção de petróleo? “Necessária e correta”, diz OPEP+

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados (OPEP+) decidiu este domingo continuar a aplicar um corte na produção de petróleo em 2023, uma medida que defendeu ser “necessária e correta”.
Comentários