Prazo para candidaturas a incentivos fiscais para empresas foi prolongado

Na última década, 3.574 empresas já recuperaram 2.147 milhões de euros do investimento realizado em Investigação e Desenvolvimento.

O prazo para submissão de candidaturas ao Sistema de Incentivos Fiscais à atividade de Investigação e Desenvolvimento Empresarial (SIFIDE) foi adiado para 30 junho de 2021, informou em comunicado o SIFIDE.

Segundo a informação, o prolongamento do prazo de candidaturas foi determinado através de um despacho em 3 de maio do Ministério da Economia e Transição Digital, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e do Ministério das Finanças, ficando as empresas com atividades em investigação e desenvolvimento com mais um mês para recuperar parte desse investimento através da dedução à coleta de IRC.

O Sistema de Incentivos Fiscais à I&D Empresarial (SIFIDE) é gerido pela Agência Nacional de Inovação, sendo o objetivo “aumentar a competitividade das empresas apoiando o seu esforço em Investigação e Desenvolvimento (I&D), através da dedução à coleta do IRC de uma percentagem das respetivas despesas de I&D (na parte não comparticipada a fundo perdido pelo Estado ou por Fundos Europeus)”.

De acordo com o mesmo comunicado, na última década, 3.574 empresas já recuperaram 2.147 milhões de euros do investimento realizado em Investigação e Desenvolvimento, sendo de 122 mil euros por ano a poupança média das Pequenas e Médias Empresas (PME) nos últimos cinco anos através dos incentivos fiscais à I&D.

Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários