Preço da eletricidade vai recuar 0,6% em 2021 no mercado regulado

O regulador ERSE anunciou hoje os preços que vão vigorar a partir de 1 de janeiro para um milhão de clientes.

O preço da eletricidade vai recuar 0,6% para os clientes do mercado regulado a partir de 1 de janeiro de 2021, anunciou hoje a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

O mercado regulado conta com um milhão de clientes do total de mais de 6,29 milhões que existem em Portugal, o equivalente a cerca de 5% do consumo total.

O regulador explica que a variação apresentada de -0,6% é “relativa ao preço médio de 2020, integrando a revisão em baixa da tarifa de energia em abril de 2020, no valor de 5 euros por MWh, e que se refletiu numa redução da tarifa transitória de venda a clientes finais a vigorar até dezembro deste ano”.

A 15 de outubro, a ERSE tinha anunciado a sua proposta inicial para 2021, que previa que os preços se mantivessem inalterados no próximo ano. Esta proposta ainda passou pelo conselho tarifário do regulador, que junta consumidores e empresas, antes de o conselho de administração da ERSE tomar a decisão final de descida de 0,6%.

Mesmo clientes que já estejam no mercado liberalizado, podem optar por um tarifário com preços equivalentes ao praticado no mercado regulado.

Quais foram as alterações às tarifas nos últimos anos? Subida de 1,2% em 2017, descida de 0,2% em 2018, descida de 3,5% em 2019 e descida de 2,7% em 2020.

O regulador liderado por Maria Cristina Portugal destaca o “atual contexto de incerteza devido à pandemia de Covid-19, com um impacte potencialmente forte no nível de procura de energia elétrica e onde o exercício tarifário é marcado por um conjunto de efeitos extraordinários resultantes da pandemia”.

Recomendadas

Tribunal de Contas não afasta cenário de novas injeções de capital no Novobanco

O juiz conselheiro relator do relatório da auditoria do Tribunal de Contas à gestão do Novobanco, José Quelhas, referiu hoje que não está afastado o cenário de novas injeções de dinheiro público no ex-BES.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.

Capgemini Portugal estima que receitas cresçam 16% em 2022 e tem 600 vagas de trabalho por preencher

A consultora tecnológica revelou ainda que está prestes a lançar o quarto laboratório de investigação no país, que será dedicado à cibersegurança da computação quântica e para a qual estão alocados cinco doutorados.
Comentários