Preço das casas manteve-se estável em abril. Valores em Lisboa continuam a descer

Apesar de Lisboa continuar a ser a cidade e distrito com o preço mais elevado para a compra de uma casa, os valores têm apresentado uma redução ao longo dos meses.

O preço das casas manteve-se relativamente estável no mês de abril, apresentando apenas uma descida ligeira de 0,2% face ao terceiro mês do ano, revela um novo estudo do idealista. No entanto, o mesmo estudo concluiu que os preços subiram 6,8% numa variação anual, ou seja, em abril de 2021.

O índice de preços do idealista mostra que comprar casa em Portugal tinha um custo de 2.348 euros por m2 no final do mês de abril. Ainda assim, Lisboa continua a ser a cidade onde os preços estão mais elevados, ultrapassando a média em 2.699 euros.

Num análise às capitais de distrito, a plataforma imobiliária mostra que os preços subiram em 12 capitais, com Ponta Delgada e Aveiro a liderem esta subida, com 7,4% e 3,5%, respetivamente. Beja cresceu 3,2% e Leiria 3%, sendo que as restantes subidas já foram abaixo dos 2%, como Funchal (1,9%), Évora (1,7%), Setúbal (1,5%), Coimbra (1,3%), Braga (1%), Viseu e Porto (0,3%) e Bragança (0,2%).

Mas se há preços que sobem, outros têm de descer, o que foi o caso de oito capitais de distrito, onde se inclui Lisboa. Os preços desceram em Vila Real (-5,2%), Portalegre (-3,3%), Castelo Branco (-2,1%), Lisboa (-1,6%), Santarém (-0,8%), Guarda (-0,7%), Viana do Castelo e Faro (-0,3%).

O preço médio em Lisboa fixou-se em 5.047 euros/m2, sendo a cidade mais cara atualmente para adquirir casa. No Porto, o m2 está em 3.066 euros e no Funchal situa-se em 2.270 euros. Em Faro, o m2 está a 2.212 euros e em Aveiro em 2.202 euros, enquanto em Ponta Delgada está em 1.363 euros e Viana do Castelo em 1.306 euros. Por sua vez, ainda existem cidade com o m2 abaixo de mil euros, como é o caso de Beja (851 euros/m2), Santarém (845 euros/m2), Guarda (805 euros/m2), Bragança (795 euros/m2), Castelo Branco (762 euros/m2) e Portalegre (619 euros/m2).

Quando analisados os distritos e as ilhas, o idealista nota que as maiores subidas aconteceram em São Miguel (5,7%), Aveiro (3,2%), Évora (3%) e na Madeira (2,7%), enquanto os preços decresceram no Faial (-7,8%), Terceira (-1,3%), Vila Real (-1,2%), Castelo Branco (-1,1%), Viseu e Santa Maria (-0,7%) e Lisboa (-0,6%).

A lista dos distritos mais caros para comprar casa é liderado por Lisboa (3.773 euros/m2), seguido por Faro (2.710 euros/m2), Porto (2.329 euros/m2) e Madeira (2.076 euros/m2), sendo que os preços mais económicos estão em Castelo Branco (708 euros/m2), Guarda (685 euros/m2) e Portalegre (581 euros/m2)

Numa análise às regiões, a plataforma percebe que os preços das casas subiram em todas as regiões do país, com exceção do Alentejo (-3%) e da Área Metropolitana de Lisboa (-0,6%). A liderar as subidas, encontra-se a Região Autónoma dos Açores (3,7%), seguida pela Região Autónoma da Madeira (2,7%), Centro (1,9%), Algarve (1%) e Norte (0,4%).

A Área Metropolitana de Lisboa, com 3.381 euros/m2, continua a ser a região mais cara, seguida pelo Algarve (2.710 euros/m2), Região Autónoma da Madeira (2.062 euros/m2) e Norte (1.962 euros/m2). Do lado oposto da tabela, o Alentejo (1.149 euros/m2) e a Região Autónoma dos Açores (1.107 euros/m2) continuam a ser as regiões com os preços mais baixos.

Recomendadas

Arquitetos destacam a necessidade de reinventar Lisboa após a pandemia

Espaços ao ar livre, utilização da água e sustentabilidade são alguns dos meios que os municípios devem utilizar para transformar os principais desafios em oportunidades para as cidades.

Uma em cada três casas no centro de Lisboa não tem ocupação. “É bizarro”, diz vereadora da CML

Filipa Roseta revela que ao todo, na capital existem perto de 50 mil residências desabitadas e que podem ser uma oportunidade para o mercado com preços acessíveis.

Arquitectura em debate em Lisboa. Veja em direto a “Talk Arquitectura – Novas Oportunidades Urbanas”

A “Talk Arquitetura – Novas Oportunidades Urbanas” conta com o Jornal Económico como media partner e é uma conversa com arquitetos para debater a adaptabilidade, sustentabilidade e resiliência neste contexto. Veja em direto e acompanhe a cobertura editorial no site do Jornal Económico.
Comentários