Preço do combustível desce dez cêntimos por litro na Madeira

A gasolina passa dos 1.885 para os 1.784 euros por litro, o gasóleo passa dos 1.817 para os 1.719 euros por litro,

O preço máximo do combustível sofreu uma descida de preço, na Madeira, de dez cêntimos por litro, de acordo com resolução publicada pelo executivo regional, em jornal oficial.

A gasolina passa dos 1.885 para os 1.784 euros por litro, o gasóleo passa dos 1.817 para os 1.719 euros por litro, e o gasóleo marcado e colorido passa dos 1.293 para os 1.344 euros por litro.

O ano de 2022 iniciou-se com o preço máximo da gasolina a 1.680 euros por litro, o gasóleo a 1.487 euros por litro, e o gasóleo marcado e colorido a 0.909 euros por litro.

Por volta da mesma altura do ano passado a gasolina estava a 1.558 euros por litro, o gasóleo a 1.315 euros por litro, e o gasóleo marcado e colorido a 0.791 euros por litro.

Recomendadas

Parlamentos da Madeira e dos Açores defendem alargamento dos apoios nacionais às empresas das ilhas

Esta medida “visa estender às regiões autónomas um apoio nacional às empresas, consagrado no diploma que fixa o salário mínimo nacional. Um apoio que neste momento está consagrado apenas para o território continental”, salientou o deputado do PSD Brício Araújo, presidente da comissão Especializada de Administração Pública, Trabalho e Emprego da Assembleia Legislativa da Madeira.

OE2022: PSD lamenta ausência de financiamento adicional da Universidade da Madeira

O deputado do PSD Válter Correia criticou a falta de soluções no Orçamento do Estado de 2022 (OE2022) para a questão do financiamento adicional dos estabelecimentos públicos de ensino superior das regiões autónomas, em particular da Universidade da Madeira. “Tratar com equidade os estabelecimentos de ensino superior insulares é uma responsabilidade constitucional do Estado, cuja […]

Açores: empresários de São Jorge querem “apoios imediatos” à liquidez

Os empresários referem que o tecido empresarial da ilha “estava fragilizado pela situação pandémica”, acrescentando que a situação sísmica “veio agravar as dificuldades de recuperação económica”.
Comentários