Preço do feijão “bongolon” com maior aumento no terceiro trimestre em Cabo Verde

As variações dos preços são pouco expressivas, excetuando os preços médios do feijão bongolon (11,8%) e do milho local (5,2%), ajuntando que tanto a média da classe dos cereais, como a de feijões registaram um crescimento médio mensal positivo, 1,4% e 4,1%, respetivamente.

O preço do feijão “bongolon” registou um aumento de 11,8(%) no terceiro trimestre de 2019, segundo o Secretário Nacional para Segurança Alimentar Nutricional (SNSAN). De acordo com uma nota de imprensa enviada à agência noticiosa Inforpress, os preços dos Produtos Alimentares de Primeira Necessidade (PAPN), entre os meses de julho e setembro, apresentaram uma tendência mista.

As variações dos preços são pouco expressivas, excetuando os preços médios do feijão bongolon (11,8%) e do milho local (5,2%), ajuntando que tanto a média da classe dos cereais, como a de feijões registaram um crescimento médio mensal positivo, 1,4% e 4,1%, respetivamente.

Em relação ao trimestre anterior, prossegue a nota, os preços médios do milho segunda, milho local e milho local e feijão pedra apresentaram as maiores variações, 5,1%, 7,9% e 9,5%, pela mesma ordem.

Entretanto, conforme os dados do SNSAN, em comparação com o trimestre homólogo de 2018, os preços médios dos PAPN registaram, de uma forma geral, uma redução dos preços, com exceção dos preços do milho de segunda (3,8%), açúcar (9,7%) e feijão pedra (9,6%).

O SNSAN concluiu realçando que os aumentos não foram suficientes para impulsionar uma variação homóloga trimestral positiva dos preços médios dos PAPN.

A análise trimestral dos preços nacionais é uma publicação que fornece informações sobre o comportamento dos preços nacionais de PAPN, com base no Observatório do Mercado do Secretariado Nacional para Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério da Agricultura e Ambiente.

Recomendadas

TAP transportou quase metade dos 540 mil passageiros de e para Cabo Verde em 2021

Quase metade dos mais de 540 mil passageiros de voos internacionais de e para Cabo Verde em 2021 foram transportadas pela companhia portuguesa TAP, segundo dados da agência reguladora, compilados hoje pela Lusa.

Portos de Cabo Verde com recorde histórico de 180 mil passageiros em agosto

Só a CV Interilhas transportou cerca de um milhão e meio de passageiros em três anos de operações no arquipélago.

Quadrante escolhida pela Vinci para entrar no consórcio que vai desenvolver sete aeroportos em Cabo Verde

Os projetos inserem-se no âmbito do contrato de concessão que o Governo de Cabo Verde assinou com a Vinci Airports /ANA por um período de 40 anos, recorda a empresa em comunicado.
Comentários