Preço do pão poderá sofrer “ligeiras correções” em 2020

O preço do pão poderá sofrer “ligeiras correções” em 2020, apesar do valor da matéria-prima permanecer inalterado, num setor onde se avizinham “tempos difíceis” com o consumidor a evitar os hidratos, avançou a associação da indústria de panificação.

“O que poderá haver são ligeiras correções de preços e, mesmo estas, dependem de caso para caso”, indicou, em resposta à Lusa, a secretária-geral da Associação do Comércio e da Indústria de Panificação, Pastelaria e Similares (ACIP), Graça Calisto, recusando o termo ‘aumento de preços’, uma vez que “o preço e o peso do pão são livres”.

De acordo com esta responsável, o preço da matéria-prima – farinha, água, sal e fermento – não sofreu “aumentos significativos” este ano, prevendo-se ainda que esta tendência continue em 2020.

Porém, o consumo teve um “ligeiro decréscimo” na ordem dos 20% e a expansão dos grandes grupos económicos provocou a deslocalização dos consumidores, que passam a optar pelas grandes superfícies.

“O consumidor dos dias de hoje tem uma preocupação acrescida de não ingerir hidratos de carbono e tem uma noção errada de que o pão engorda. O pequeno almoço da maioria das nossas crianças é feito à base de cereais, que, em boa verdade, possuem mais açúcar e gorduras que um simples pão escuro, que tem mais fibra e é mais saudável”, acrescentou.

Graça Calisto notou ainda que o aumento do salário mínimo para 635 euros, em janeiro, irá, “obviamente”, impactar o setor “e com todos os custos inerentes”.

Assim, a secretária-geral da ACIP vincou que para 2020 se avizinham “tempos difíceis”.

Recomendadas

Black Friday faz volume de pagamentos com Ifthenpay aumentar 18% em novembro

A Ifthenpay, empresa portuguesa especializada e líder de mercado em pagamentos digitais para empresas, anunciou que registou um crescimento de mais 18% ao longo do mês de novembro na movimentação financeira através dos seus pagamentos digitais (+95,5 milhões de euros), e por comparação com período homólogo do ano anterior.

BPI distribui presentes de Natal a crianças no país

A edição de 2022 deverá mobilizar milhares de pessoas – entre trabalhadores sociais, voluntários, colaboradores e clientes do banco – para realizar os desejos de crianças apoiadas por instituições sociais que lutam contra a pobreza infantil em todo o país.

Exigir participação de mulheres em conferências é o novo grito pela igualdade

O BNP Paribas Portugal assumiu o compromisso de garantir 40% de mulheres no Comité Executivo do Banco e no G100 até 2025 e de não participar em conferências em cujos painéis não estejam mulheres. Acordo com movimento francês Jamais Sans Elles foi oficializado no dia 10 de novembro.
Comentários