Preço do petróleo afunda após anúncio da Casa Branca

Num dia marcado por fortes movimentações no mercado do “ouro negro”, o destaque vai para a Casa Branca que anunciou libertar um milhão de barris de petróleo por dia das suas reservas nos próximos seis meses.

Reuters

Os preços do petróleo esta quinta-feira caíram com as noticias de que os Estados Unidos vão começar a colocar um milhão de barris por dia (bpd) de petróleo oriundos das suas reservas nos próximos seis meses, de forma a responder à pressão criada no mercado energético pela invasão russa da Ucrânia e subsequentes disrupções e sanções. Isto, no mesmo dia em que a OPEP+ manteve o acordo atual para a produção de petróleo em maio e Putin anunciou que as importações de gás natural vão ter que ser pagas em rublos.

O preço do indicador do petróleo para os Estados Unidos, o crude, baixou 4,09 dólares por barril, ou 3,80%. O “ouro negro” está agora a transacionar a 103,72 dólares por barril. O brent, o principal indicador para o petróleo na Europa, também baixou e está agora a transacionar a 107,82 dólares por barril ao registar uma queda de 3,28%, ou 3,66 dólares.

De acordo com a “Reuters”, o recorde de lançamento de petróleo da REP dos EUA de 180 milhões de barris é o equivalente a dois dias da procura global e vai chegar ao mercado durante vários meses, disseram quatro fontes norte-americanas na quarta-feira, numa altura em que a Casa Branca está a tentar baixar os preços dos combustíveis.

John Kilduff, sócio da Again Capital disse que “este é um mercado onde cada barril conta e (a potencial libertação de petróleo da REP) é um volume significativo de a ser colocado no mercado por um longo período de tempo”.

A libertação de petróleo do REP também pode ser um sinal de que Washington não espera uma rápida resolução para a crise na Ucrânia, que tem atrasado o fornecimento de petróleo, disse Susannah Streeter, analista sénior de investimentos e mercados na Hargreaves Lansdown.

“Tempos desesperados, exigem claramente medidas desesperadas e o governo de Biden acredita que o aumento dos preços do petróleo justifica esta mudança.”

Os analistas do Goldman Sachs acreditam que a mudança vai ajudar o mercado petrolífero a reequilibrar-se em 2022, mas que não deve ser encarada como uma solução permanente.

Relacionadas

OPEP+ resiste a pressões e avança com um aumento mensal mais contido da produção de petróleo

Em maio, a OPEP+ irá aumentar a produção em cerca de 432 mil barris por dia.

Casa Branca anuncia um milhão de barris de petróleo por dia das suas reservas nos próximos seis meses

A decisão surge no dia em que Putin assinou o decreto obrigando ao pagamento de encomendas energéticas em rublo, uma decisão que a Europa apelida de ‘chantagem’. A Casa Branca quer também obrigar as grandes petrolíferas a “escolher entre começar a produzir ou pagar um preço por cada poço inativo e hectare não utilizado”.

Putin anuncia que gás russo tem de ser pago em rublos a partir de sexta-feira (com áudio)

Depois das ameaças, vem a concretização. O presidente russo anunciou esta tarde um decreto que obriga a que o gás natural seja pago em rublos já a partir de amanhã. Caso contrário, contratos serão rasgados.
Recomendadas

Bolsa abre em terreno positivo com Mota-Engil a registar o maior ganho

O petróleo está a negociar em alta com o brent a subir 2,33% para os 105,16 euros e o crude valoriza 1,80% para os 101,29 euros.

S&P 500 fecha no verde depois de sprint no final da sessão

Num dia em que o S&P 500 chegou a estar a perder 2% e o Dow a recuar 700 pontos, o sector tecnológico acabou por dar um empurrão ao primeiro índice, que acabou a sessão no verde. Os medos de uma recessão, ainda assim, adensam-se entre os investidores, castigando títulos procíclicos como a banca ou energia.

Greenvolt. Atuais acionistas garantiram 97% do aumento do capital de 100 milhões

A energética liderada por João Manso Neto concluiu com sucesso o aumento de capital. Procura ascendeu a 186% da oferta.
Comentários