Preço do petróleo cai para mínimos deste ano

Receios sobre o impacto da recessão na economia estão a pressionar em baixa o petróleo. Mercados não estão preocupados neste momento com o impacto do embargo sobre o crude russo.

O preço do barril de petróleo atingiu hoje mínimos deste ano ao cair 1,15% para 78,44 dólares. Na terça-feira, o barril de Brent já tinha atingido os 78,70 dólares, igualando o mínimo de 4 de janeiro.

O valor do Brent, a referência para Portugal, está a ser pressionado por preocupações com a inflação e a recessão o próximo ano, conforme avisaram vários banqueiros de Wall Street.

O CEO do JP Morgan veio a público avisar que a economia dos EUA pode vir a sofrer uma “recessão leve ou severa”. Por sua vez, o CEO do Goldman Sachs avisa que existe uma “possibilidade razoável” de os EUA enfrentarem uma “recessão de algum tipo”.

Receios com uma recessão no próximo ano levaram o euro dólar a subir 0,30% para 1,050. Como petróleo é negociado em dólares, uma moeda mais forte obriga os detentores de outras moedas a pagar mais para comprar petróleo.

“Claramente, os investidores não estão muito preocupados com qualquer potencial falta de abastecimento em consequência do teto no preço e o banimento da União Europeia nas vendas de petróleo russo”, segundo a corretora de petróleo PVM, citada pela “Reuters”.

“Ainda existe muita incerteza nos mercados”, disse Claudio Galimberti da Rystad Energy, apontando que a produção russa poderá não cair como esperado.

A contribuir para suster o preço, a China anunciou hoje várias mudanças nas regras Covid-zero, para aliviar o peso destas medidas sobre os cidadãos.

Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Dow recua num dos melhores dias para o S&P e Nasdaq

Em dia de prestarem contas, algumas das maiores tecnológicas animaram o Nasdaq, que fechou a sessão a escalar 3,25%. Também o S&P 500 trepou para o nível mais alto dos últimos cinco meses. Já o índice industrial deixou a desejar aos investidores.

BCE alerta para risco de aumento do desemprego. Invasão da Ucrânia é ameaça para a zona euro

A invasão russa da Ucrânia a par da inflação e o apertar do cinto financeiro são três grandes riscos para a economia da zona euro. Acresce a isto a dinâmica de subida salarial, que pode gerar efeitos de segunda ordem e agravar o problema dos preços do lado da procura, alerta presidente do BCE.
Comentários