PremiumPreço do petróleo caiu 45% desde máximo depois de invasão da Ucrânia

Apesar do embargo e do teto à Rússia, os preços do petróleo bateram mínimos anuais em três dias consecutivos esta semana.

O preço do barril de petróleo caiu 45% para 76 dólares desde o máximo atingido no início de março depois da invasão da Ucrânia pela Rússia. Mais, o embargo ao petróleo russo por via marítima pela União Europeia arrancou esta semana, a par do teto de preço de 60 dólares aplicado pelos países do G7 e pela Austrália. Mas então, porque é que o preço não disparou?

“A minha visão é de que o petróleo não tem tido agravamentos significativos, por uma razão que não tem que ver com o conflito da Rússia, mas sim com a recessão económica”, disse ao JE Rui Pena dos Reis da Universidade de Coimbra. “A diminuição do crescimento económico gera diminuição da procura, o que permite diminuir o preço. As expetativas dos mercados – do BCE, da Fed – é de recessão, que é a diminuição da procura e abaixamento dos preços”, acrescenta o professor.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPatrões querem que todas as despesas de teletrabalho fiquem isentas de IRS

Governo estuda fixar um valor até ao qual as despesas de teletrabalho estão livres de IRS. Patrões consideram positivo, mas avisam: ideal seria todos os pagamentos estarem isentos.

PremiumTaxa dos sacos de plásticos rende 2,1 milhões em sete anos

Receita arrecadada com a contribuição sobre os sacos de plástico leves nunca chegou sequer perto da estimativa do Governo. Retalhistas mudaram gramagem dos sacos, escapando à tributação.

PremiumSem alternativas ao plástico, retalho recusa fim dos sacos ultraleves

A partir de junho, está proibida a disponibilização de sacos de plástico ultraleves para embalamento ou transporte de pão, frutas e legumes. A APED contesta-o, frisando que não há alternativas adequadas.
Comentários