Preço dos combustíveis: sabe como é calculado?

O preço dos combustíveis tem um peso cada vez maior no orçamento, mas será que sabe o que é que realmente o torna tão caro?

Petrolíferas, gasolineiras, impostos, a época do ano, e até a guerra na Ucrânia. Suspeitos há muitos, mas, afinal, o que é torna o preço dos combustíveis tão elevado?

Descubra, neste artigo da autoria do ComparaJá.pt, como são feitas as contas, o que mais pesa e como poupar no dia-a-dia.

Como é calculado o preço dos combustíveis?

Os preços da gasolina e do gasóleo são atualizados semanalmente em Portugal, com tendência a seguir a evolução da cotação internacional do preço do barril de brent. Mas esta é apenas uma de várias componentes no preço de um litro de combustível – e nem sequer é a principal. Estes são os 5 fatores que determinam o preço dos combustíveis e o seu peso na conta final.

1. Cotação internacional, o preço do petróleo à saída da refinaria

Um dos principais componentes do preço de um litro de combustível é a matéria-prima utilizada – o petróleo. Mais especificamente para os mercados europeus, o preço de referência é o do barril de petróleo Brent.

Em Portugal, o preço de referência não é o da matéria-prima no seu estado bruto (por refinar) como em muitos outros países. Em vez disso, considera-se o preço do combustível já refinado, ou seja, à saída da refinaria.

Este pormenor faz toda a diferença, pois a cotação de cada um dos produtos derivados do petróleo (como o gasóleo ou a gasolina) muda todos os dias, dependendo da oferta e procura. Por exemplo, em meses frios, a procura por gasóleo é mais elevada, dadas as necessidades de aquecimento. Já nos meses de verão é a gasolina que sobe, devido aos milhares de portugueses em viagem.

Há ainda um outro fator a ter em conta, que é a cotação do euro face ao dólar. As cotações do petróleo refinado são calculadas em dólares. Ou seja, se o euro desvalorizar, é preciso gastar mais para comprar a mesma quantidade de combustível.

Mesmo tendo em conta todos estes fatores, uma subida de 10%, por exemplo, nas cotações do petróleo refinado não significa necessariamente um aumento da mesma ordem de grandeza no preço final. Porquê?

Há uma explicação simples. A matéria-prima é apenas uma parte da composição do preço de venda ao público e representa cerca de 34% do custo da gasolina 95 e 38%, no caso do gasóleo. A maior fatia, como veremos mais à frente, são os impostos, na sua maior parte ISP. A cotação internacional.

Por este motivo, uma variação percentual no Brent, mesmo que elevada, provocará variações de menor amplitude na estação de serviço.

2. Frete, custos logísticos e reservas estratégicas

O custo do transporte do produto petrolífero para o território nacional é outro fator a ter em conta no preço a pagar, bem como os custos de receção e descarga. O custo de armazenagem também é repercutido no preço final.

Existem ainda reservas de segurança controladas diretamente pela ENSE (Entidade Nacional para o Setor Energético). A sua gestão e armazenagem têm custos que se refletem no preço dos combustíveis. Em conjunto, todos estes custos logísticos não somam mais de 7% do custo de um litro de combustível, seja gasóleo ou gasolina.

3. Incorporação dos biocombustíveis

Por exigência da União Europeia, o Estado está obrigado a incorporar uma determinada percentagem de biocombustível em cada litro de gasóleo ou gasolina vendido. O biocombustível tem origem biológica não fóssil, e apresentam baixos índices de emissão de poluentes para a atmosfera. O objetivo desta medida é assim reduzir as emissões de gases com efeito de estufa.

Em 2021, a taxa de incorporação de biocombustíveis foi fixada em 11%. Ou seja, por cada litro de gasóleo vendido, as gasolineiras devem incorporar esta proporção de biodiesel. Uma vez que o preço do biodiesel varia mensalmente e é determinado pelo Estado, este é outro fator que ajuda a explicar as variações do preço final a pagar pelos consumidores.

4. ISP e IVA

Os impostos, nomeadamente o ISP e o IVA, são de longe as principais fatias do custo de um litro de combustível. Somados, representam 54% do custo de um litro de gasolina 95 e 49% de um litro de gasóleo.

O ISP, ou Imposto sobre Produtos Petrolíferos, é um dos impostos especiais de consumo previstos na lei. Para além da gasolina e do gasóleo, é aplicado também a outros produtos, petrolíferos e energéticos, hidrocarbonetos e eletricidade.

Os valores das taxas do ISP são fixados pelo Governo tendo em consideração o estado do mercado e os diferentes impactos ambientais de cada um dos produtos. Ao longo dos anos, a variação da taxa tem vindo a equilibrar os preços dos combustíveis com o custo do petróleo nos mercados internacionais.

Por exemplo, em 2016, após uma baixa no preço-referência do barril de Brent, o ISP subiu 6 cêntimos por litro. Anos depois, em 2019, com preço-referência do Brent em alta, o Governo desceu a taxa de ISP em 3 cêntimos por litro. O Orçamento do Estado para 2022, prevê uma redução do ISP para que seja equivalente a uma taxa de IVA de 13%.

Um dos principais motivos para o elevado peso do ISP é que não trata de um imposto, mas de dois. Aqui, são considerados os valores da contribuição de serviço rodoviário, que incide sobre a gasolina, o gasóleo rodoviário e o GPL, e da taxa de carbono, que incide sobre as emissões de CO2 a que estão sujeitos alguns produtos petrolíferos e energéticos. Por isso se diz que o ISP é também um “imposto ambiental” que visa esbater a produção de gases de efeitos de estufa produzidos pela UE.

A tudo isto acresce ainda o IVA, aplicado a todas as componentes que compõem o preço, incluindo o ISP. Conclusão, mais metade do que pagamos pela gasolina são impostos, e quase metade do custo do gasóleo na bomba vai para os cofres do Estado.

5. Custos de comercialização e margem comercial

A última parcela do preço são os custos de comercialização e a margem comercial das gasolineiras. A margem comercial engloba todos os custos com a distribuição dos combustíveis depois da armazenagem, nomeadamente transporte e custos dos operadores.

Estes custos dependem de fatores como a capacidade negocial e logística de cada empresa. Este montante acrescenta entre 10% e os 15% ao preço dos combustíveis, de acordo com os dados mensais publicados pela ERSE. Sobre estas componentes incide, também, IVA.

Como poupar: AUTOvoucher e outras vias

Para lidar com o agravamento dos preços, milhares de portugueses decidiram aderir ao AUTOvoucher. O AUTOvoucher é um apoio financeiro criado pelo Governo português de forma a fazer face ao aumento significativo do preço dos combustíveis. Este apoio corresponde a um desconto de até 20€ por mês.

Para além de aderir a este programa, há várias dicas que deve seguir para poupar combustível, tais como abastecer no posto mais barato, evitar utilizar o ar condicionado, fazer uma manutenção regular ao automóvel e evitar circular com o carro demasiado pesado.

Para além disso, modere a velocidade, planeie as viagens com tempo e aproveite as vantagens dos cartões de descontos em combustível. E, sempre que possível, evite usar o carro de todo preferindo outras alternativas. São pequenas mudanças de hábitos, que têm um enorme impacto nas despesas no final do mês.

Relacionadas

Inflação 2022: o que é e quais as suas consequências?

A inflação 2022 está a preocupar famílias e empresas. Saiba o que significa este conceito e o que está por trás desta subida de preços.

Como poupar no combustível?

Face à subida dos preços da gasolina e do gasóleo, existem algumas dicas que deve saber para poupar no combustível. Fique a conhecê-las.

O que é a etiqueta energética e como interpretá-la?

Sabe escolher os eletrodomésticos mais eficientes para a sua casa? Aprenda a fazê-lo através da interpretação correta da etiqueta energética.

Tarifa Social: quem tem direito a este desconto?

Sabia que, se tem dificuldades financeiras, pode beneficiar de um desconto na sua fatura de eletricidade e gás natural? Veja aqui tudo sobre a Tarifa Social.

Como otimizar os gastos com climatização em casa?

A climatização da casa representa um grande consumo energético, porém existem formas de atenuar esta despesa. Conheça as 6 dicas que temos para si.

Em que situações compensa ter tarifa bi-horária?

Se consome mais eletricidade à noite ou durante os fins de semana, pode compensar (ou não) aderir à tarifa bi-horária. Saiba como fazer os cálculos.
Recomendadas

O que é o 5G? Conheça 5 alterações práticas

Mais rápida, estável e amiga do ambiente. Descubra o que é a rede 5G e quais as implicações práticas da última evolução nas comunicações móveis.

6 dicas de cibersegurança para proteger as suas informações pessoais

Com o número de ataques em níveis recorde, a cibersegurança é uma prioridade de todos. Veja como proteger as suas informações pessoais com estas 6 dicas.

Falar de dinheiro em família não pode ser tabu

Este pode ser um bom ponto de partida para reorganizar as finanças domésticas e alterar pequenos hábitos e atitudes no comportamento de pais e filhos.
Comentários