Preços da habitação desaceleram pelo segundo trimestre consecutivo

No terceiro trimestre de 2018, o preço das habitações apresentou uma variação homóloga de 8,5%, menos 2,7 pontos percentuais que no trimestre anterior.

Cristina Bernardo

No terceiro trimestre de 2018, o Índice dos Preços da Habitação (IPHab) subiu 8,5% em termos homólogos, 2,7 pontos percentuais (p.p.) abaixo do observado no trimestre anterior. Este valor revela que foi o segundo trimestre consecutivo em que se registou uma desaceleração dos preços das habitações transacionadas, segundo revela o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta sexta-feira.

Neste período as habitações existentes registaram uma taxa de variação superior à observada nas habitações novas de 9,2% e 5,7%, respetivamente. Entre o segundo e o terceiro trimestre de 2018, o preço da habitação cresceu 1,0% (2,3% no trimestre anterior), o que representa a menor taxa de variação em cadeia dos últimos três anos.

As habitações existentes e novas registaram um ritmo de crescimento semelhante, 0,9% e 1,1%, respetivamente. Em termos médios anuais, as habitações existentes evidenciaram um aumento dos preços de 11,6%, mais 4,7 p.p. do que o registado nas habitações novas.

Vendas de casas aumentam
No terceiro trimestre de 2018, venderam-se 45.935 habitações, mais 18,4% do que no período homólogo de 2017. As transações de habitações existentes representaram a maioria das vendas (84,9%) num totla de 38.988 unidades, o que revela um crescimento homólogo de 18,6%. Relativamente às habitações novas, registaram-se 6.947 transações, mais 17,4% por comparação com o terceiro trimestre de 2017.

Entre julho e setembro de 2018, o valor das vendas de alojamentos fixou-se nos 6,3 mil milhões de euros, tendo 5,1 mil milhões de euros correspondido a transações de habitações existentes e 1,2 mil milhões de euros a habitações novas. Neste período, o valor total apurado representou um aumento de 29,1% em termos homólogos e de 1,4% por comparação com o trimestre anterior.

Recomendadas

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Cabo Verde quer reforçar combate à pobreza com aumento de 25% da taxa turística

Governo liderado por Ulisses Correia e Silva prevê arrecadar 8,6 milhões de euros com o aumento da taxa, que serão canalizados para o fundo de financiamento Programa Mais, Mobilização pela Aceleração da Inclusão Social, concebido para apoiar projetos de combate à pobreza extrema e exclusão social, segundo a Forbes África Lusófona.

Receitas do turismo estão 14% acima das do pré-pandemia

Os resultados até agora obtidos são animadores, contudo a crescente subida dos preços traz alguma apreensão
Comentários