Preços das casas aumentaram 5,9% em 2020

Valor do m2 fixou-se nos 2.147 euros. Em termos trimestrais, o crescimento foi de 2,7%. Todas as regiões do país verificaram subidas dos preços, mas foi a região Norte que registou a mais expressiva com 10,6%.

Os preços das casas em Portugal registaram um aumento de 5,9% no ano de 2020, tendo o valor médio do m2 ficado nos 2.147 euros, de acordo com o índice de preços do portal “idealista”, revelado esta terça-feira, 29 de dezembro.

No último trimestre do ano o crescimento foi de 2,7%. No terceiro, segundo e primeiro trimestres, os preços tinham apresentado um aumentoo de 1%, 0,5% e 1,6%, respetivamente.

Olhando para os preços em termos de regiões do país, os dados revelam que todas registaram um aumento de preços em 2020, sendo que a maior subida do ano foi registada na região Norte, onde os preços aumentaram 10,6%, seguido pela Região Autónoma dos Açores (8,8%), Região Autónoma da Madeira (7,8%), Algarve (7,2%) e Centro (5,7%).

As regiões do país que verificaram as subidas menos significativas foram o Alentejo (0,7%) e a Área Metropolitana de Lisboa (AML) (2,6%).

No entanto, a Área Metropolitana de Lisboa, continuou a ser a região mais cara, com um valor médio de 3.017 euros por m2, seguida pelo Algarve (2.368 euros por m2), Norte (1.834 euros por m2) e Região Autónoma da Madeira (1.678 euros por m2).

Em sentido inverso, encontram-se como regiões mais baratas a Região Autónoma dos Açores (999 euros por m2), o Alentejo (1.024 euros por m2) e o Centro (1.105 euros por m2).

Em termos de distritos e ilhas, os maiores aumentos verificaram-se em Vila Real (16,7%), Viseu (14,2%), Aveiro (14,1%), Porto (11,6%), Coimbra (11,3%), Braga (10,4%) e Setúbal (10%), seguidos pela ilha de São Miguel (9,5%), a Madeira (7,8%), Faro (7,2%), Viana do Castelo (4,6%), Santarém (4,3%), Ilha de Porto Santo (4,2%) e Lisboa (2,2%).

Os distritos onde os preços registaram subidas menores foram Portalegre (1,4%), Bragança (1,5%), Castelo Branco (1,7%) e Évora (1,8%). Por outro lado, desceram na Guarda (-6,7%), Leiria (-6%) e Beja (-2,9%).

Os distritos mais caros continua a ser liderado por Lisboa (3.346 euros por m2), seguido por Faro (2.368 euros por m2) e Porto (2.140 euros por m2). Em sentido inverso, encontram-se na Guarda (628 euros por m2), Portalegre (644 euros por m2), Castelo Branco (695 euros por m2) e Bragança (761 euros por m2).

Olhando para os preços nas capitais de distrito, registou-se um aumento em 18 capitais, com Viseu (23%) a liderar a lista. Seguem-se Coimbra (13,7%), Braga (12,6%), Castelo Branco (10,5%), Évora (9,8%), Guarda (9,6%), Setúbal (9,4%), Aveiro (7,5%), Faro (6,6%), Porto (6,1%), e Funchal (5,7%).

As subidas menos acentuadas foram registadas em Viana do Castelo (3,9%), Leiria (3,2%), Santarém (1,7%), Lisboa (1,5%) e Bragança (0,8%). Por outro lado, os preços apenas desceram em Portalegre e Beja: -9,4% e 1,2% respetivamente.

Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro comprar casa, com 4.678 euros por m2. Porto (2.949 euros por m2) e Faro (1.995 euros por m2) ocupam o segundo e terceiro lugares, respetivamente. Já as cidades mais económicas são Portalegre (656 euros por m2), Guarda (749 euros por m2), Castelo Branco (764 euros por m2) e Bragança (771 euros por m2).

Recomendadas

PremiumPortugueses dominam em projeto de luxo em Cascais

Sandwoods conta com 39 villas com preços que atingem os 2,8 milhões de euros. Projeto deverá estar concluído em 2024, mas sector da construção civil enfrenta falta de mão-de-obra e demora no fornecimento de material.

PremiumFranceses investem até 45 milhões de euros no Barreiro

‘Ja-Ba’ (Jardim Barreiro) está a cargo da dupla de promotores Maxime Tellier e Renauld de L’Hermite, que está presente em Portugal desde o ano de 2014. “O nosso objetivo é muito claro. Fazer um projeto para os portugueses”, assumem.

PremiumOaktree, Cerberus e Vanguard na corrida à VIC Properties

A Alantra vai receber esta sexta-feira as propostas não vinculativas para a compra dos ativos da VIC Properties. A Vanguard deverá avançar para o Pinheirinho. Oaktree e Cerberus entre os interessados.
Comentários