Preços das casas para arrendamento aumentaram 200 euros em abril (com áudio)

Este valor representa uma subida de 19% face ao mês anterior, fixando-se agora nos 1.274 euros. O distrito de Évora registou o crescimento mais expressivo (59,1%) passando dos 650 euros para os 1.034 euros.

Os preços das casas para arrendamento registaram um aumento de 200 euros no mês de abril, o que significou um crescimento de 19% em relação ao mês anterior, passando dos 1.074 euros, para os 1.274 euros, de acordo com os dados revelados pelo portal “Imovirtual” esta segunda-feira, 2 de maio.

Olhando para o período homólogo de 2021 (998 euros), o preço médio da habitação para arrendar subiu 28%.

Em termos de distritos, Évora registou o crescimento mais expressivo (59,1%) passando dos 650 euros para os 1.034 euros. O distrito alentejano teve também o maior aumento em relação ao período homólogo de 2021, ao quase duplicar o valor da renda de 518 euros, para 1.034 euros.

Por sua vez, a Guarda apresentou um aumento de 46%, com o valor das rendas a passar dos 411 euros para os 600 euros, sendo que face a abril de 2021, esta subida foi ainda mais expressiva (62%), dos 370 euros para os 600 euros, e em Bragança (+59,9%), de 398 euros para os 636 euros.

Já o distrito Faro, o preço das rendas cresceu 43,8% em março de 2022, passando dos 863 euros, para os 1.241 euros.

Em sentido inverso, surge o distrito de Beja, que depois de em março ter observado o maior aumento, apresentou agora a queda mais expressiva (20,4%), descendo dos 628 euros para os 500 euros. O distrito com a descida menos significativa foi Portalegre (-1,8%), descendo dos 360 euros para os 353 euros.

Em relação ao segmento de vendas, o preço médio registou em abril uma subida ligeira de 2,9% fixando-se nos 391.465 mil euros, face aos 380.558 mil euros do mês anterior.

Quando comparado com o período homólogo do ano anterior, onde valor médio das casas era de 352.565 mil euros, verificou-se um aumento de 11%, sendo agora de 391.465 mil euros.

Em termos de distritos, Lisboa teve a maior subida (6,3%), com o preço médio a passar dos 595.860 mil euros para os 633.192 mil euros. Com aumentos menos expressivos surgem Aveiro (3,3%), Braga (3,2%) e Setúbal (2,8%).

Já Castelo Branco registou a maior descida do preço médio de venda em abril (-7,6%), passando dos 128.450 mil euros para os 118.710 mil euros, seguindo-se Portalegre (-6,7%), caíndo para os 115.884 mil euros, sendo o segundo distrito mais barato, depois da Guarda (109.343 mil euros).

Em comparação com o período homólogo de 2021, Évora foi o distrito com a maior subida do preço médio de venda em abril (+26,2%), subindo dos 201.872 mil euros para os 254.814 mil euros.

Em relação a março, Setúbal teve um aumento de 22,4%, enquanto e Região Autónoma da Madeira viu o valor médio das vendas subirem 20,3%.

Por sua vez, Castelo Branco e Guarda, foram os dois distritos mais baratos para comprar casa, tendo registado a maior quebra do preço médio de venda face a abril de 2021, descendo 5,6% e 4,8%, respetivamente.

Recomendadas

Bloomberg: Novobanco escolhe shortlist de potenciais compradores para a sede

O Novobanco já pré-selecionou a shortlist de candidatos à compra da sua sede em Lisboa, avança a Bloomberg que cita fontes familiarizadas com o assunto. A Vanguard passou à fase das propostas vinculativas.

Grupo CVM investe 140 milhões de euros até 2024 na Área Metropolitana do Porto

Ao todo vão ser construídos 15 edifícios, num total de 825 frações, sendo que 425 já estão em construção com as restantes 400 a terem início até final do primeiro trimestre de 2023.

Interesse de estrangeiros na compra de casa em Portugal aumenta 29%

A maioria dos estrangeiros que procuram casa em Portugal estão interessados em comprar casa em Lisboa, Porto, Braga, Leiria e Aveiro.
Comentários