Preços das casas superam em 40% o valor da avaliação imobiliária

Apesar dos preços terem aumentado 9,4% no último ano, as avaliações das casas permanecem abaixo dos valores praticados no mercado, com destaque para a região do Algarve.

Cristina Bernardo

Os preços das casas em Portugal estão a superar o valor das avaliações feitas e em alguns casos chegam a ultrapassar os 40%. Esta é uma das conclusões apresentadas por um estudo do BA&N Research Unit divulgado esta terça-feira, 3 de maio.

Uma das regiões do país onde esta discrepância se faz sentir com mais expressão é o Algarve. Por exemplo, no município de Lagoa a avaliação média por m2 é de 1.658 euros, sendo que os 85% do valor da avaliação atiram
o máximo de financiamento para os 1.409 euros.

Num imóvel com 100 m2, isto significa que o valor máximo a conceder no crédito é de 140.900 mil euros, sendo que os preços de compra e venda colocam este mesmo imóvel a avaliado em 235.100 mil euros. Em Lagoa, existe um diferencial de 42% entre o preço pago pelos imóveis, muitos deles moradias, e o valor atribuído pelos peritos nas casas avaliadas.

O valor do m2 para venda estava no final do anterior nos 2.351 euros, em comparação com os 1.658 euros da avaliação.

Na região algarvia o preço do m2 para compra de casa atingiu em 2021 os 2.114 euros, e segundo o estudo terá sido influenciado por imóveis comercializados em zonas consideradas de luxo, mas também pela presença de muitos compradores com residência fiscal fora de Portugal.

A avaliação feita no momento da concessão de financiamento foi apenas de 1.731 euros, o que significou uma
sobrevalorização dos imóveis em 22,1%. Já na Região Autónoma da Madeira, o diferencial foi também elevado (18,5%), sendo de 12,7% no Porto, a segunda maior cidade do país.

Por outro lado, existem cidades onde os preços estão bastante acima das avaliações, mas em que os compradores não residentes não explicam essa diferença, como por exemplo Alcochete ou a toda Área Metropolitana de Lisboa (AML) que apresenta valores de compra e venda 36,2% acima das avaliações.

Em sentido inverso, e contrariando esta tendência aparece as regiões do Centro, onde os imóveis estão avaliados em 904 euros\m2, sendo os negócios realizados por um valor de 896 euros e do Alentejo, com os valores negociados a serem de 867 e 800 euros, respetivamente.

Recomendadas

Arquitetos destacam a necessidade de reinventar Lisboa após a pandemia

Espaços ao ar livre, utilização da água e sustentabilidade são alguns dos meios que os municípios devem utilizar para transformar os principais desafios em oportunidades para as cidades.

Uma em cada três casas no centro de Lisboa não tem ocupação. “É bizarro”, diz vereadora da CML

Filipa Roseta revela que ao todo, na capital existem perto de 50 mil residências desabitadas e que podem ser uma oportunidade para o mercado com preços acessíveis.

Arquitectura em debate em Lisboa. Veja em direto a “Talk Arquitectura – Novas Oportunidades Urbanas”

A “Talk Arquitetura – Novas Oportunidades Urbanas” conta com o Jornal Económico como media partner e é uma conversa com arquitetos para debater a adaptabilidade, sustentabilidade e resiliência neste contexto. Veja em direto e acompanhe a cobertura editorial no site do Jornal Económico.
Comentários