Preços estáveis em outubro

Os preços mantiveram-se estáveis em outubro, face ao período homólogo, subindo 0,4 pontos percentuais em termos mensais, divulgou o Instituto Nacional de Estatística (INE). A variação mensal do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi de 0,3% (0,6% em setembro de 2014 e 0,0 em outubro de 2013), enquanto a variação média dos últimos 12 […]

Os preços mantiveram-se estáveis em outubro, face ao período homólogo, subindo 0,4 pontos percentuais em termos mensais, divulgou o Instituto Nacional de Estatística (INE).

A variação mensal do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi de 0,3% (0,6% em setembro de 2014 e 0,0 em outubro de 2013), enquanto a variação média dos últimos 12 meses aumentou 0,1 pontos percentuais para menos 0,2%.

De acordo com o INE, a variação homóloga do IPC situou-se assim em 0,0% em outubro, 0,4 pontos percentuais superior à observada em setembro.

Excluindo a energia e os bens alimentares não transformados (inflação subjacente), a inflação apresentou em outubro uma subida homóloga de 0,2%, que compara com os 0,1% do mês anterior.

Entre as classes com contribuições positivas para a variação homóloga dos preços, o INE destaca a da habitação, água, eletricidade, gás e outros combustíveis, com uma variação homóloga de 2,6% em outubro (0,3 pontos percentuais superior à do mês anterior), “influenciada em grande medida pelo sub-subgrupo das rendas efetivas pagas por inquilinos de residências principais”.

De referir ainda o “contributo positivo” das classes dos restaurantes e hotéis, com uma subida homóloga de 1,6% em outubro (0,3 pontos percetuais inferior a de setembro) e das bebidas alcoólicas e tabaco, com um crescimento homólogo de 3,2% (3,7% em setembro).

A classe com maior contribuição negativa para a variação homóloga do IPC foi a do vestuário e calçado com uma variação homóloga de -2,2% em outubro (menos 1,0% no mês anterior), seguida da classe dos transportes, com uma variação homóloga de menos 1,4% (variação de menos 1,1% no mês anterior).

Segundo o INE, a principal alteração na contribuição das classes para a variação homóloga do IPC, comparativamente com o verificado no mês anterior, encontra-se na classe dos produtos alimentares e bebidas não alcoólicas, cuja contribuição foi menos negativa em 0,3 pontos percentuais.

Em termos mensais, a subida de 0,3% dos preços em outubro compara com a de 0,6% no mês anterior e o aumento de 0,0% em outubro de 2013.

O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou em outubro uma variação homóloga de 0,1% (0,0% em setembro), inferior em 0,3 pontos percentuais à taxa estimada pelo Eurostat para os países do euro (diferença igual à registada em setembro).

A taxa de variação mensal do IHPC situou-se, por sua vez, nos 0,0% em outubro (0,5% no mês anterior e menos 0,1% em outubro) e a taxa de variação média dos últimos 12 meses foi de menos 0,1% (igual à registada no mês anterior).

OJE/Lusa

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.