Preços. Portugueses negoceiam mais que a média europeia

O Observador Cetelem recorda alguns dados recentes sobre o consumo em Portugal. Com 46% de intenções de poupança, os portugueses são os europeus que mais manifestam a intenção de economizar, comparativamente com 2014 (+11 p.p). Os consumidores nacionais destacam-se também por, desde a crise, serem os que mais negoceiam os preços (77% contra a média europeia […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O Observador Cetelem recorda alguns dados recentes sobre o consumo em Portugal. Com 46% de intenções de poupança, os portugueses são os europeus que mais manifestam a intenção de economizar, comparativamente com 2014 (+11 p.p). Os consumidores nacionais destacam-se também por, desde a crise, serem os que mais negoceiam os preços (77% contra a média europeia de 59%).

O Dia Mundial da Poupança celebrou-se no sábado, 31 de outubro.

Desde a crise, os portugueses são também os mais atentos aos preços (91% contra uma média europeia de 83%). Os consumidores nacionais caracterizam-se ainda por, de há 5 anos a esta parte, fazerem mais “compras inteligentes, tais como a caça às promoções, as compras de ocasião ou low cost”, lê-se no comunicado da Cetelem.

Os habitantes de Portugal e do Reino Unido são os únicos que tencionam poupar, enquanto, nos outros países europeus, de uma forma geral, essa tendência está em queda ou no mesmo nível nos últimos dois anos.

“A reduzida folga orçamental, consequência de um contexto económico desfavorável, obrigou os consumidores a adaptarem-se e a adotarem novos comportamentos”, explica Diogo Lopes, diretor de marketing da Cetelem, em comunicado.

Neste estudo, o Observador Cetelem inquiriu 8.719 europeus (pelo menos 500 indivíduos por país com idade superior a 18 anos) em 12 países – Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Reino Unido, Hungria, Polónia, República Checa, Eslováquia, e Roménia – por Internet, entre 4 de novembro e 2 de dezembro de 2014.

OJE

Recomendadas

Banco de Fomento lança consulta pública para dois novos Programas de co-investimento em PME

Estando ainda disponível o montante de 475 milhões de euros para lançar novos Programas, “o BPF convida as empresas e todos os interessados a participar na consulta pública acerca de futuras soluções de capital e quase capital, com o objetivo de obter contributos sobre as condições de dois Instrumentos Financeiros pré-estruturados destinados a fomentar a constituição de empresas e/ou capitalização empresarial”, revela o banco liderado por Ana Carvalho.

Premium“Somos a ótica das pessoas e que traz o know how francês”, diz CEO do grupo MonOpticien

Em entrevista ao JE, o CEO do grupo MonOpticien, Florent Carriére, explica o modelo de subscrição que traz para Portugal. “O meu concorrente não é a Multióticas, é a a Netflix e o Spotify”, sublinha.

Bancos da zona euro devolvem antecipadamente 447,5 mil milhões ao BCE

Este montante vem juntar-se aos quase 300 mil milhões de euros que foram reembolsados antecipadamente em 23 de novembro.