Prédios em Lisboa com eficiência energética poderão ter 15% de desconto no IMI

A medida consta das propostas do executivo camarário que vão ser discutidas amanhã, 14 de dezembro, e que deverão ser aprovadas na próxima terça-feira, 19 de dezembro, pela Assembleia Municipal.

Os prédios urbanos em Lisboa que tenham eficiência energética deverão ter 15% de desconto na taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) aplicável por cinco anos, escreve o Jornal de Negócios esta quarta-feira.

A medida consta das propostas do executivo camarário que vão ser discutidas amanhã, 14 de dezembro, e que deverão ser aprovadas na próxima terça-feira, 19 de dezembro, pela Assembleia Municipal.

Para beneficiar do benefício fiscal, os prédios urbanos têm de ter classe energética superior a A, aproveitar águas residuais tratadas ou águas pluviais e/ou, caso tenham sido submetidos a obras recentes, a classe energética deverá ser superior em dois níveis à que tinha antes.

Desde que o Sistema de Certificação Energética dos Edifícios (SCE) foi implementado em 2007 já foram emitidos mais de 1,20 milhões de certificados energéticos e identificadas mais de 2 milhões de medidas de melhoria, as quais poderão traduzir-se em poupanças até 800 milhões de euros/ano, segundo os números avançados ao Jornal Económico por Manuel Boia, administrador da ADENE – Agência para a Energia.

A ADENE realizou em maio deste ano um estudo de mercado sobre a Eficiência Energética na Habitação Particular, que revela que três em cada quatro dos inquiridos mostrou preocupação com o tema da eficiência energética, com o objetivo de reduzir as faturas de eletricidade, do gás e da água. Porém, na prática, nem todos os inquiridos conseguiram concretizar medidas efetivas para reduzir o consumo da forma mais racional.

Relacionadas

Os negócios imobiliários do Banco de Portugal

Fundo de pensões do banco central comprou imóveis para reabilitação na zona mais nobre de Lisboa, o Chiado. Num prédio vai fazer apartamentos de luxo e num palácio está a estudar qual o destino a dar-lhe.

Investimento imobiliário no centro histórico de Lisboa subiu 17% até junho

O volume de investimento de cerca de 345 milhões de euros representa “um crescimento de 17% face ao semestre anterior, quando foram transacionados 296 milhões de euros”, segundo o índice Confidencial Imobiliário.
Recomendadas

Governo quer prolongar Programa Regressar e aumentar o benefício do IRS Jovem

O Governo quer prolongar o regime fiscal associado ao programa Regressar e aumentar o benefício anual do IRS Jovem, segundo a proposta do acordo de rendimentos e competitividade que está a ser hoje discutida na Concertação Social.

Apoios às famílias: “Vamos até onde podemos ir”, diz Medina

O ministro das Finanças é ouvido esta quarta-feira pelos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças da Assembleia da República. Fernando Medina fala nesta comissão uma semana depois de ter sido apresentado o pacote de medidas de apoio às famílias e a menos de um mês do prazo de entrega da proposta de Orçamento do Estado para 2023 (OE2023).

Medina: “Estado não vai arrecadar mais do que aquilo que está a devolver”

O ministro das Finanças afasta um cenário de “brilharete orçamental” por via das receitas da inflação. Fernando Medina rejeita que bónus das pensões represente uma perda no futuro e pede “reflexão” sobre a fórmula de cálculo das mesmas que, diz, “não foi criada para períodos de inflação extraordinária”.
Comentários