Prémio Leya anunciado a 13 de outubro

A romance vencedor da edição 2015 do Prémio LeYa vai ser divulgada dia 13 ao final da manhã. O júri estará reunido nos dias 12 e 13 de outubro. O júri é presidido por Manuel Alegre, que é acompanhado pelos escritores Nuno Júdice, Pepetela e José Castello. O júri integra também José Carlos Seabra Pereira, Professor […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A romance vencedor da edição 2015 do Prémio LeYa vai ser divulgada dia 13 ao final da manhã. O júri estará reunido nos dias 12 e 13 de outubro.

O júri é presidido por Manuel Alegre, que é acompanhado pelos escritores Nuno Júdice, Pepetela e José Castello. O júri integra também José Carlos Seabra Pereira, Professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Lourenço do Rosário, Reitor do Instituto Superior Politécnico e Universitário de Maputo, e Rita Chaves, Professora da Universidade de São Paulo.

O Prémio, no valor de 100 mil euros, foi criado em 2008, como o objetivo de distinguir um romance inédito escrito em português.

Até hoje, o Prémio LeYa distinguiu os romances O Rasto do Jaguar, de Murilo Carvalho (2008), O Olho de Hertzog, de João Paulo Borges Coelho (2009), O Teu Rosto Será o Último, de João Ricardo Pedro (2011), Debaixo de Algum Céu, de Nuno Camarneiro (2012), Uma Outra Voz, de Gabriela Ruivo Trindade (2013) e O Meu Irmão, de Afonso Reis Cabral (2015), obras que estão hoje publicadas em todo o mundo de língua portuguesa e, algumas delas, fora das fronteiras da lusofonia.

O Prémio LeYa permitiu-nos ainda descobrir e divulgar muitos talentos da escrita em língua portuguesa: por recomendação do júri, foram publicados nestes oito anos romance de mais de 25 autores finalistas.

OJE

Recomendadas

“Annie Ernaux, os anos super 8”: juntar o íntimo ao social e à História

O público português pode marcar encontro com a escritora francesa Annie Ernaux, Nobel da Literatura 2022. No grande ecrã, estreia um documentário que é também um retrato social, a 15 de dezembro, e nas livrarias irá encontrar a reedição de uma obra sua esgotada há 20 anos.

António Costa e a maldição do sete. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Didier Fiúza Faustino: 30 anos a questionar

Os projetos do “artista-arquiteto” franco-português, como o próprio se define, são marcados pelo questionamento do papel político da criação e da nossa posição enquanto sujeitos e cidadãos. O MAAT, em Lisboa, dedica-lhe uma retrospetiva que Faustino vê mais como um exercício prospetivo.