Prémio Manuel António da Mota distingue associação que apoia famílias vulneráveis

Criada em 2010, e com sede em Vila Nova de Tazem, concelho de Gouveia, na Guarda, a Reencontro desenvolve atividades nas áreas social, educativa e cultural junto de pessoas e famílias em situação de vulnerabilidade ou exclusão social.

A Reencontro – Associação Social, Educativa e Cultural que atua junto de pessoas e famílias vulneráveis, no concelho de Gouveia, é a vencedora da edição de 2022 do Prémio Manuel António da Mota, foi hoje anunciado.

Criada em 2010, e com sede em Vila Nova de Tazem, concelho de Gouveia, na Guarda, a Reencontro desenvolve atividades nas áreas social, educativa e cultural junto de pessoas e famílias em situação de vulnerabilidade ou exclusão social.

Sob o lema “Portugal Justo”, o prémio de 50 mil euros foi atribuído hoje, numa cerimónia que decorreu no Centro de Congressos da Alfândega do Porto, ao projeto “Ser Criança”, um programa de intervenção comunitário dirigido a crianças dos três aos 10 anos, e que consiste no diagnóstico, intervenção e desenvolvimento de competências.

Nas fases de diagnóstico e intervenção, as crianças são alvo de um rastreio pela especialidade de medicina física e reabilitação, tendo como objetivo identificar qualquer tipo de dificuldades a nível clínico.

Com base nas informações recolhidas, as crianças a quem se identifique algum tipo de comprometimento serão orientadas para o acompanhamento que se revelar necessário.

Posteriormente, na fase do desenvolvimento de competências, prevê-se o desenvolvimento de competências pessoais, sociais e emocionais.

A 13.ª edição do Prémio Manuel António da Mota distinguiu ainda nove instituições nacionais, sendo que em segundo lugar ficou o Centro Humanitário de Tavira da Cruz Vermelha Portuguesa, à qual foi atribuído um prémio no valor de 25 mil euros, e em terceiro lugar a Associação Pão a Pão (PAP), premiada com 10 mil euros.

A Aldeias Humanitar – Associação de Solidariedade Social, Associação Academia do Johnson Semedo, Câmara Municipal de Ílhavo, Centro de Solidariedade de Braga/Projeto Homem, Orquestra sem Fronteiras, VivaLabPorto e ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável receberam menções honrosas, no valor de cinco mil euros cada.

Criado em 2010 pela Fundação Manuel António da Mota, o prémio reconhece anualmente organizações e personalidades que se destacam nos vários domínios de atividade, sendo que nesta sua 13.ª edição consagrou instituições se notabilizam na luta contra a pobreza e exclusão social, acolhimento e integração de migrantes e refugiados, valorização do interior e coesão territorial, saúde, educação, emprego, apoio à família, inovação e empreendedorismo social, inclusão e transição digital e tecnológica e transição climática.

Recomendadas

Vinte e um municípios com 6,9 milhões de euros para recuperar áreas ardidas

O Instituto de Conservação da Natureza (ICNF) e 21 municípios assinam na quarta-feira, em Murça, distrito de Vila Real, contratos-programa para recuperação de áreas ardidas no valor de 6,9 milhões de euros.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

JMJ custaram 48,5 milhões de euros à Polónia em 2016

As JMJ realizam-se por todo o mundo, sendo este ano organizadas em Portugal entre os dias 1 e 6 de agosto. Este evento está a gerar alguma discórdia devido aos valores que Portugal vai gastar para receber o Papa Francisco. Mas esta discussão não acontece apenas por cá. Também nos países que já foram anfitriões das jornadas este foi um tema polémico.
Comentários