Preocupado com bem-estar animal, acionista Icahn quer nomear duas administradoras para a McDonald’s

O McDonald’s alega ter conduzido à melhoria dos padrões de bem-estar animal. A batalha é centrada em alegações sobre as porcas que estão grávidas e que são mantidas em caixas pequenas, uma prática que é considerada por Icahn como “obscena”.

O multimilionário Icahn cuja reputação faz dele uma lenda em Wall Street, quer dois assentos no conselho de administração da cadeia de fast food McDonald’s. O investidor é dono de apenas 200 ações da empresa, mas, alegadamente entusiasmado pela sua filha, uma conhecida ativista do bem-estar animal, decidiu começar esta batalha.

De acordo com a “BBC”, o McDonald’s alega ter conduzido à melhoria dos padrões de bem-estar animal. A batalha é centrada em alegações sobre as porcas que estão grávidas e que são mantidas em caixas pequenas, uma prática que é considerada por Icahn como “obscena”.

Ichan argumenta que o McDonald’s não cumpriu a promessa feita em 2012 de eliminar gradualmente o fornecimento de carne de porco de porcos alojados nas chamadas “caixas gestacionais”. Icahn tinha pedido aos fornecedores de carne de porco da McDonald’s que apenas forneçam a cadeia de fast food com “carne de porco sem caixotes”.

A McDonald’s disse num comunicado no domingo que continuaria a trabalhar com a indústria para melhorar as normas, mas que algumas das exigências de Icahn não eram razoáveis, não chegando a explicitar quais.

Ichan foi durante vários meses conselheiro em matérias de reformas de regulação do antigo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mas abandonou o cargo depois da controvérsia do presidente. De acordo com a BBC, é pouco provável que tenha sucesso com as nomeações.

Recomendadas

À beira dos 100 anos de vida, Disney está prestes a perder os direitos sobre o Mickey

Os direitos de autor sobre a personagens estão quase a expirar e vão passar para domínio público, como consequência da lei dos Estados Unidos.

Jogos Olímpicos 2024. Empresa portuguesa recebe cinco milhões para construção arquitetónica

O contrato está inserido numa operação de 136 milhões de euros e visa a construção da Arena Porte de la Chapelle, que vai servir de palco para os Jogos de 2024.

MP pede ao Tribunal da Concorrência para manter coima de 48 milhões à EDP e empresa pede absolvição

O Ministério Público pediu hoje ao Tribunal da Concorrência para manter a coima de 48 milhões de euros aplicada à EDP Produção por abuso de posição dominante, tendo a empresa defendido a absolvição “pura e simples”.
Comentários