Presidenciais: André Ventura vai gastar o triplo de Ana Gomes e seis vezes mais que Marcelo Rebelo de Sousa

A estrutura do deputado único do partido da extrema-direita parlamentar prevê gastar 25 mil euros só na “conceção da campanha, agências de comunicação e estudos de mercado” e valor semelhante em “propaganda, comunicação impressa e digital”.

Mário Cruz/Lusa

O orçamento da campanha eleitoral à Presidência da República do líder do Chega ascende a 160 mil euros, segundo documento oficial a que a Lusa teve acesso, mais do triplo do anunciado pela sua adversária Ana Gomes.

O atual chefe de Estado e recandidato, Marcelo Rebelo de Sousa, revelou que pretende gastar somente 25 mil euros, metade dos 50 mil euros previstos pela diplomata e ex-eurodeputada do PS.

Já a estrutura do deputado único do partido da extrema-direita parlamentar prevê gastar 25 mil euros só na “conceção da campanha, agências de comunicação e estudos de mercado” e valor semelhante em “propaganda, comunicação impressa e digital”.

“Estruturas, cartazes e telas” são um item que vai implicar custos de 50 mil euros, enquanto 20.000 euros são destinados a “comícios e espetáculos”, prevendo-se ainda mais 20.000 euros para “brindes e outras ofertas”.

Ainda segundo o documento, as maiores fontes de financiamento da campanha de Ventura são “contribuição de partidos políticos (25 mil euros), “angariação de fundos” (25 mil euros) e “donativos” (100 mil euros), mas o documento não identifica nomes ou entidades.

Há ainda a previsão de “donativos em espécie” (cinco mil euros) e outro tanto em “cedência de bens a título de empréstimo”.

As eleições presidenciais realizam-se em 24 de janeiro de 2021, terminando quinta-feira o prazo para a entrega de assinaturas de cidadãos eleitores e formalização das candidaturas junto do Tribunal Constitucional.

Relacionadas

“Concorro para vencer as eleições e ver renovada a confiança dos portugueses”, diz Marcelo

Marcelo Rebelo de Sousa entregou no Tribunal Constitucional a sua lista de assinaturas para a recandidatura à Presidência da República, dizendo à saída que não pretende gastar mais do que 25 mil euros na sua campanha.

Ana Gomes: “Sem a minha candidatura, não haveria nenhum candidato no campo do socialismo democrático”

A antiga eurodeputada afirma que será uma candidata “no campo do socialismo democrático”, garantido que se não fosse a sua candidatura não haveria nenhum representante do PS na corrida.
Recomendadas

Raimundo reafirma PCP como partido dos trabalhadores e de protesto que não está parado no tempo

Paulo Raimundo falava no final de um almoço/comício da campanha “Faz das injustiças força para lutar! – mais salários e pensões, saúde e habitação”, que reuniu cerca de 300 pessoas no Centro Recreativo e Cultural do Boquilobo, no concelho de Torres Novas, no distrito de Santarém.

Extrema-direita espanhola na rua contra fim de crime de sedição que condenou independentistas

O parlamento espanhol aprovou na quinta-feira, numa primeira votação, uma proposta dos partidos no governo em Espanha (socialistas e extrema-esquerda da Unidas Podemos) de revisão do Código Penal que suprime o delito de sedição, que levou à prisão independentistas catalães.

Carlos Moedas serve mais um jantar à direita ibérica na Câmara

Carlos Moedas recebeu os “jotas” do PSD e do PP espanhol para um jantar servido na sala de arquivo da CML. Os custos foram assumidos pela autarquia, apurou o semanário Novo.
Comentários