Presidenciais: Ventura recua e já admite manter-se na liderança do Chega se ficar atrás de Ana Gomes

O líder do Chega, André Ventura, considera que, se a ex-diplomata Ana Gomes ficar à sua frente nas eleições presidenciais de janeiro, é porque fez “um mau trabalho” e irá dar ao partido a “palavra final” sobre a sua liderança. Em setembro, tinha dito que se demitiria.

O presidente do Chega e pré-candidato a Presidente da República, André Ventura, voltou atrás naquilo que disse no início de setembro e admite agora manter-se na liderança do partido, caso fique atrás da ex-diplomata Ana Gomes nas presidenciais de janeiro. André Ventura considera que, se Ana Gomes ficar à sua frente nas eleições, é porque fez “um mau trabalho” e irá dar ao partido a “palavra final” sobre a sua liderança.

“Se ficar atrás de Ana Gomes [nas eleições presidenciais] vou devolver ao partido a palavra final sobre a minha situação no Chega”, garantiu André Ventura, em entrevista ao “Diário de Notícias”. Questionado sobre se pondera manter-se, caso seja essa a vontade do partido, disse: “Admito que sim e admito que não, admito os dois cenários”.

A decisão contraria aquilo que tinha escrito no Twitter, no início de setembro, de que se demitiria da presidência do Chega, caso ficasse atrás da ex-eurodeputada socialista nas eleições presidenciais. “A Ana Gomes vai ser a pior candidata presidencial de sempre: histérica, obcecada com os seus inimigos de estimação, amiga das minorias que vivem do nosso trabalho. Se por acaso ficasse à minha frente demitia-me de líder do Chega”, prometeu então.

Para o líder do Chega, ficar atrás de Ana Gomes nas presidenciais seria sinal de que fez “um mau trabalho”. “Não digo isto por demérito de Ana Gomes. Vamos ser francos: se Ana Gomes tivesse o apoio do PS era uma coisa, agora, não tem o apoio do PS. Já disse uma vez, meio a brincar meio a sério que suspeito que António Costa preferia que fosse eu Presidente da República do que a Ana Gomes. Portanto, não vai ter o apoio de ninguém do PS”, disse.

“[Ana Gomes] uma candidata que não tem agregado nada, tem fraturado; é uma candidata que não tem o apoio de quase nenhum espaço político parlamentarmente representado – agora tem do PAN. Assim, com o perfil de Ana Gomes, se ela ficar à minha frente, eu fiz um mau trabalho”, reiterou.

A mais recente sondagem das eleições presidenciais da Intercampus, feita para o “Jornal de Negócios” e “Correio da Manhã”, aponta para uma vitória do atual Presidente, Marcelo Rebelo de Sousa – que ainda não revelou se será ou não recandidato –, com 60,3% das intenções de voto. Em segundo lugar, aparece Ana Gomes 14% dos votos e só depois André Ventura, com 9,4%.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

“Há interessados em criar Zonas Livres Tecnológicas para criptomoedas”, diz secretário de Estado da Digitalização

Mário Campolargo, em entrevista ao Jornal Económico, explica os objetivos do Governo em renovar a Estratégia de Blockchain e Web3 e garante que há interesse por parte de vários ‘players’ em testar moedas virtuais nos espaços livres de constrangimentos regulatórios.

PAN defende aposta nos transportes públicos e revisão dos escalões de IRS

A porta-voz do PAN, Inês Sousa Real, defendeu, este domingo, na proposta de Orçamento do Estado para 2023 o Governo deve apostar nos transportes públicos e na revisão dos escalões de IRS, além da valorização da proteção animal. “É fundamental que no Orçamento do Estado se garanta uma maior aposta nos transportes públicos, a revisão […]
Comentários