Presidente alemão pede diálogo entre cidadãos para fugir à polarização

O presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, defendeu esta segunda-feira, numa mensagem de Natal, o diálogo e a tolerância perante o “ruído” das redes sociais e a polarização que se vivem em países como os Estados Unidos e a França. De acordo com o texto difundido pela Presidência e que será emitido à noite por Steinmeier, o […]

O presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, defendeu esta segunda-feira, numa mensagem de Natal, o diálogo e a tolerância perante o “ruído” das redes sociais e a polarização que se vivem em países como os Estados Unidos e a França.

De acordo com o texto difundido pela Presidência e que será emitido à noite por Steinmeier, o seu desejo para estes dias e para 2019 é que os alemães falem mais entre eles, especialmente “com quem tem outra opinião”.

Steinmeier considera ainda que a Alemanha — maior economia da União Europeia — não é imune à polarização social e avisa sobre o que está a acontecer em países próximos, com “barricadas a arder em Paris” e as “profundas trincheiras políticas nos Estados Unidos”, bem como as preocupações no Reino Unido perante o ‘Brexit’, a saída do país da União Europeia, entre outros.

A Alemanha não tem uma história (contemporânea) de grandes assimetrias sociais e de prevalência de fraturas sociais, mas a entrada de um partido próximo da ideologia nazi no Parlamento fez soar os alarmes – e o discurso do presidente do país, uma figura com pouco relevo internacional, parece querer apontar exatamente para essa preocupação.

Recomendadas

Ucrânia: Biden diz que aliados da NATO não serão “intimidados” por Putin

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou hoje que os Estados Unidos e seus aliados não se deixarão “intimidar” pelo seu homólogo russo Vladimir Putin, e prometeu que a NATO defenderá “cada centímetro” do seu território.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Grupo de direitos das mulheres apela à FIFA que exclua Irão do Campeonato do Mundo

“Por que a FIFA daria ao Estado iraniano e aos seus representantes um palco global, enquanto não apenas se recusa a respeitar os direitos humanos e dignidades básicos, mas atualmente está a torturar e matar o seu próprio povo?”, questionam na carta enviada ao representante do organismo.
Comentários