Presidente brasileiro anuncia intervenção federal no Estado de Roraima até dia 31

O Presidente do Brasil, Michel Temer, anunciou na sexta-feira uma intervenção federal no Estado de Roraima, no norte do país e na fronteira com a Venezuela, até 31 de dezembro, quando termina o seu mandato.

Michel Temer, PMDB, 2016-

Michel Temer reuniu-se naquele dia em Brasília, capital do país, com várias autoridades, incluindo os ministros de Segurança Pública, Raul Jungmann, e da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, informando que vai decretar uma “intervenção negociada” no Estado de Roraima.

Aquele Estado brasileiro, um dos mais pobres do país, foi atingido nos últimos meses pela crise migratória, com a chegada de milhares de venezuelanos à região, levando Michel Temer a autorizar, em final de agosto, o uso de militares do Exército para garantir a segunda na fronteira brasileira.

Além disso, Roraima atravessa uma grave crise no seu sistema prisional.

O chefe de Estado brasileiro adiantou não ter encontrado nenhuma saída legal para ultrapassar a situação que está a ocorrer.

Segundo Michel Temer, a governadora de Roraima, Suely Campos, está “de acordo” com a intervenção negociada, pois acredita que a situação se está a complicar, e considerou que a medida é a melhor solução.

“Falei com a senhora governadora e disse que a única hipótese de solucionar esta questão” será “decretar a intervenção até à investidura” do novo governador de Roraima, Antonio Denarium.

“Com isso queremos, na realidade, pacificar as questões de Roraima”, frisou Temer que já tinha decretado em fevereiro passado uma intervenção federal na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro, que deverá manter-se até 31 de dezembro, quando termina o seu mandato.

Na sexta-feira, mulheres de polícias e militares fecharam várias esquadras, quartéis dos bombeiros e unidades militares, no Estado brasileiro de Roraima, em protesto contra os atrasos salariais dos seus maridos.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários