Presidente chinês admite estar preocupado com vaga de casos de Covid nas áreas rurais

A China reduziu a proporção de casos graves e a taxa de mortalidade ao “máximo possível”, adquirindo “tempo precioso” para otimizar a sua resposta, afirmou Xi Jinping.

O Presidente chinês, Xi Jinping, admitiu na quarta-feira que está preocupado com a vaga de casos de covid-19 que deve atingir o vasto interior da China, durante o Ano Novo Lunar.

No primeiro comentário público sobre a onda de infeções registada no país, depois de Pequim ter desmantelado a estratégia de ‘zero casos’ de covid-19, o secretário-geral do Partido Comunista Chinês admitiu estar “mais preocupado com as áreas rurais e os camponeses”.

“As instalações médicas são relativamente vulneráveis nas áreas rurais, e isto significa que é mais difícil prevenir [o impacto da doença] e que o desafio é mais árduo”, descreveu.

As afirmações de Xi foram feitas durante a mensagem do Ano Novo Lunar, dirigida aos habitantes e funcionários do Partido Comunista em Mianyang, uma cidade na província de Sichuan. Xi, que falou a partir do Grande Palácio do Povo, em Pequim, exortou-os a fazer tudo o possível para conter a propagação do vírus.

O líder chinês defendeu, no entanto, que o país “fez a escolha certa” ao impor medidas rígidas de prevenção epidémica nos últimos três anos. A China reduziu a proporção de casos graves e a taxa de mortalidade ao “máximo possível”, adquirindo “tempo precioso” para otimizar a sua resposta, afirmou.

Centenas de milhões de trabalhadores chineses migrados nas cidades estão a regressar à terra natal, para celebrar a principal festa das famílias chinesas, que calha este ano entre os dias 21 e 28 de janeiro.

Trata-se da maior migração interna do planeta e coincide, este ano, com o fim da política de ‘zero casos’ de covid-19, que durante quase três anos restringiu o fluxo interno de pessoas no país.

Admitindo que a atual onda de infeções que varre o país é “feroz e grave”, Xi Jinping pediu aos profissionais de saúde na linha da frente que aumentem as medidas de autoproteção.

“Devemos fortalecer a proteção e os cuidados às nossas equipas médicas para garantir a sua saúde”, disse.

O fim das restrições, após protestos ocorridos em várias cidades da China, lançou uma vaga de infeções sem precedentes nas zonas urbanas, que deve agora alastrar-se ao interior do país, onde os recursos de saúde são considerados insuficientes.

Apesar da vaga de casos sem precedentes e da crise de saúde pública que atingiu o país, Xi insistiu que “a luz ao fundo do túnel está mesmo à frente” e que a “persistência é vitória”.

Na videochamada participou também a vice-primeira-ministra Sun Chunlan e o membro do Politburo do Partido Comunista Chinês Liu Guozhong, que deve assumir o cargo de principal autoridade da China para as políticas da covid-19, depois de Sun se aposentar oficialmente em março.

De acordo com dados oficiais divulgados no domingo passado, a China registou quase 60 mil mortes nos hospitais ligadas à pandemia da covid-19, desde o levantamento das medidas de prevenção no início de dezembro.

Recomendadas

Pfizer regista um lucro anual em 2022 de 31,4 mil milhões de dólares

A farmacêutica registou aumentos nos lucros e nas receitas, mas espera que em 2023 haja uma quebra da faturação, devido à diminuição nas vendas de vacinas e medicamentos contra a Covid-19.

Reabertura “caótica” da China “difícil de digerir” para residentes em Shenzhen

O súbito fim da política de ‘zero casos’, sem anúncio antecipado ou preparação do sistema de saúde, deixou famílias a lutar pela sobrevivência dos membros mais idosos, à medida que uma vaga de infeções inundou os hospitais e crematórios do país.

Tribunal de Contas “atento” ao processo da Jornada Mundial da Juventude

O presidente do TdC precisou ser necessário deixar que o processo corra, acentuando que o Tribunal de Contas (TdC) “está atento [à JMJ] como está atento a outros processos que estão a correr” na sociedade.
Comentários