Presidente da Assembleia da Madeira diz que democracia está “doente” e alerta para “cancro” do autoritarismo e absolutismo

O presidente da Assembleia mostrou preocupação com a “erosão das democracias” sublinhando que se trata também de um assunto de direitos humanos.

O presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, José Manuel Rodrigues, considera que a democracia “está doente” pelo que precisa de “terapias”, sob risco de ser atingida pelo “cancro” do autoritarismo e do absolutismo.

José Manuel Rodrigues falava num debate promovido pela Escola Secundária Francisco Franco com o tema ‘o valor da democracia’.

“É fácil ser extremista numa democracia, o difícil é ser democrata numa ditadura, portanto a nossa luta só pode ser por uma melhor democracia”, considerou o presidente da Assembleia Regional.

O presidente do parlamento da Região sublinhou que “qualquer democracia, por mais imperfeita que seja, é sempre melhor que qualquer ditadura”. Foi feito um apelo para a melhoria das condições democráticas e de governação em sociedade e lembrado que a democracia não pode ser tida como “um direito conquistado e adquirido”.

No debate foi feita alusão ao relatório sobre o Estado Global das Democracias, de 2021, onde se revela que o número de países “que avançam na direção do autoritarismo excede o dobro dos países que avançam na direção democrática” e que “um em cada dois regimes democráticos em todo o mundo está em declínio, fragilizado por problemas de legitimidade, limitações de liberdades essenciais ou por ausência de transparência”.

Esta “erosão das democracias” levantou preocupação em José Manuel Rodrigues que sublinhou que este assunto está também relacionado com direitos humanos.

Recomendadas

Presidente da Câmara do Funchal alerta para importância de adaptação do consumo aos recursos financeiros

O presidente da autarquia do Funchal disse que os consumidores devem “consumam bem e adequadamente” e de “forma regrada”.

Saiba aqui quais os principais constrangimentos dos consumidores madeirenses e o que reivindicam para 2023

Os consumidores reivindicam a atribuição do subsídio de mobilidade no ato da compra da passagem aérea entre o continente e a Região Autónoma da Madeira. Ou seja, que entre em pleno vigor o já estabelecido na Lei.

A indignação e preocupação dos portugueses

Todos os dias nos confrontamos com um brutal aumento dos produtos alimentares; com o aumento da energia; com o aumento dos juros do empréstimo para a habitação; o aumento das portagens e transportes; e com uma larga percentagem de salários precários (ou mesmo acima da média) que não conseguem corresponder a estes aumentos.
Comentários