Presidente da Câmara do Funchal diz que Portugal está no caminho errado com nível de fiscalidade elevado

O autarca referiu que a alta fiscalidade tem levado o país a perder competitividade, salientando que a prova disso é que Portugal está cada vez mais na cauda da Europa.

O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Pedro Calado, defendeu um regime de baixa fiscalidade e considerou que Portugal está num caminho “completamente errado” devido a uma carga fiscal elevada o que faz com que se perca competitividade.

“Nós estamos a perder, ano após ano, competitividade e a prova disso é estarmos cada vez mais na cauda da Europa”, disse o autarca.

Pedro Calado considerou que um dos grandes problemas é a produtividade.

“Temos que criar um país que consiga gerar oportunidades, nomeadamente ter carreiras aliciantes em várias profissões, sobretudo na função pública por ser um sector que contribui muito para a população ativa do país”, acrescentou o presidente da autarquia.

Pedro Calado esteve presente na conferência, realizada pela secção regional da Madeira da Associação Fiscal Portuguesa, com o tema “Uma Reforma Fiscal para o século XXI”, que foi baseada no livro coordenado por Joaquim Miranda Sarmento intitulado “Uma Reforma Fiscal para o século XXI”.

Recomendadas

Funchal: Coligação Confiança vê proposta sobre ruído chumbada pelo PSD

A proposta previa auscultação prévia a um leque abrangente de entidades que incluem não só as forças de segurança, a ARAE, a ACIF e os sindicatos representativos do sector das actividades económicas, mas também a Provedoria da Justiça, os munícipes que tenham apresentado reclamação sobre ruído nos últimos cinco anos e demais interessados.

Câmara do Funchal aprova benefícios fiscais para novo projeto de reabilitação urbana

Pedro Calado destacou a aposta que a autarquia está a fazer na recuperação de imóveis degradados com a atribuição de benefícios fiscais, quase todas as semanas.

Valor da comercialização de Vinho da Madeira cresceu 8,4% apesar da quantidade ter recuado 2,7%

A comercialização no mercado nacional atingiu os 583,4 mil litros e rendeu um valor aproximado a 5,3 milhões de euros, dos quais 463,9 mil litros e 4,1 milhões de euros são das vendas efetuadas na Região Autónoma da Madeira.
Comentários