Presidente da ERSE: “É crucial a informação dos consumidores sobre como a energia chega e condições de mercado”

Maria Cristina Portugal assinou um artigo de opinião no Jornal Económico com “os desafios da energia para o ano”.

CONSUMIDORES: O elevado grau de tecnicidade do setor energético tem impedido os consumidores de percecionar a energia como o resultado de um processo de produção, com uma cadeia de valor associada, que é hoje colocado em mercado e onde as escolhas devem ser feitas de forma consciente e eficiente. Num setor complexo, é crucial a informação dos consumidores, quer sobre a forma como a energia chega a suas casas, quer sobre as condições de mercado: preços, serviços, direitos, mas também agentes, ofertas e a crescente possibilidade de intervirem diretamente como produtores (prosumidores). Desafios: Investir na literacia energética dos consumidores, na sua informação e capacitação para fazer escolhas.

UNIÃO DA ENERGIA: O mercado português integra-se num mercado liberalizado mais amplo, desde logo com Espanha, mas também à escala da UE. Para um país médio, mas periférico nas redes de energia, como é Portugal, há um equilíbrio de regras que, estando alinhadas com objetivos comuns, devem permitir escolher os meios de concretização mais eficazes para a promoção do mercado interno. Desafios: Reforço das interligações, dos mecanismos de mercado e equilíbrio entre as regras europeias e as especificidades nacionais.

SUSTENTABILIDADE: A sociedade, ao mesmo tempo que se torna mais dependente de uma energia que usa, ainda, fontes intensivas em emissões de carbono, exige que se adotem comportamentos que ajudem à descarbonização. A consciência sobre as alterações climáticas e escassez de recursos caminham a par de preocupações com a pobreza e desigualdade, num contexto de grande inovação tecnológica que traz maior número, diversidade e dispersão de agentes e de solicitações sobre o setor, reforçando a necessidade de auscultação dos interessados nas decisões estratégicas de investimento, nas consultas públicas e análises de custo/benefício. Desafios: Modelo de transição sustentável, a médio e longo prazo.

Relacionadas

Insatisfeito com aumento da EDP? Clientes têm “direito de escolha”, recorda ERSE

O regulador esclarece que apenas fixa as tarifas para o mercado regulado, que vão ter uma redução de 0,2% em 2018, e que no mercado livre, “os comercializadores só incorporam no preço as Tarifas de Acesso às Redes fixadas pela ERSE que, em 2018, se reduziram em -4,4%”.
Recomendadas

Portugal com maior subida de carga fiscal na OCDE. “Não é uma liderança que nos orgulha”, afirma Marques Mendes

O comentador apontou o facto de que em 2010, a carga fiscal nacional correspondia a 30,4% do PIB e onze anos depois subiu para 35,8%. “Está claramente acima da média da OCDE que está neste momento nos 34,1%”, referiu.

Bruxelas com resposta adequada às “distorções” da lei da inflação nos EUA

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, prometeu este domingo uma resposta “adequada e bem calibrada” para mitigar as “distorções” da lei norte-americana para a redução da inflação.

Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” a decorrer em Lisboa, com o apoio do Jornal Económico

A conferência é organizada pela Optimize Investment Partners, sociedade gestora portuguesa que disponibiliza uma gama de soluções de investimento para diversos perfis de risco e objetivos. Moderada por Nuno Vinha, subdiretor do Jornal Económico, consiste numa palestra de 30 minutos de cada um dos quatro oradores, um coffee break e uma mesa redonda com espaço para perguntas e respostas e interação com a plateia.
Comentários