Presidente da Guiné-Bissau afirma que não pode haver assassinos nas Forças Armadas

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, afirmou hoje que não pode haver assassinos nas Forças Armadas do país, lamentando a tentativa de golpe de Estado de 01 de fevereiro, e pediu aos militares distanciamento dos políticos.

“Quero que as pessoas saibam que a cultura de violência não é a cultura de valentia. Fiquei com pena com o que aconteceu no dia 1 de fevereiro. Não porque Umaro Sissoco Embalo é Presidente da República ou Comandante Supremo (das Forças Armadas). Trata-se da Guiné-Bissau”, afirmou Umaro Sissoco Embaló, que discursava na cerimónia de celebração do 48.º aniversário das Forças Armadas.

No passado dia 01 de fevereiro, homens armados atacaram a tiro o Palácio do Governo, numa altura em que o Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, se encontrava no local a presidir a uma reunião do Conselho de Ministros.

O chefe de Estado disse que estava convencido que de que o último erro tinha sido o assassínio do Presidente João Bernardo “Nino” Vieira, morto em março de 2009 durante um ataque à sua residência em Bissau.

“Não pensava que poderíamos voltar a ter a cultura de tentar matar alguém que nem conheces, nem sabes de onde veio. Olham só os jovens que morreram naquele ataque”, disse, referindo-se às vítimas mortais do ataque de 01 de fevereiro.

“Houve golpe em muitos países, as pessoas são tiradas do poder, mas nós não podemos ter assassinos nas nossas Forças Armadas”, afirmou, salientando que quem “não tiver juízo” será expulso das Forças Armadas.

O Presidente disse também que um operacional é quem “demonstra bravura no campo de batalha” e “não quem mata pessoas deitadas na cama”.

“Isso não é de homem. Se és mesmo um operacional avisa a pessoa que estás a chegar”, disse, pedindo aos militares para se distanciarem dos políticos, porque o “poder é conquistado nas urnas”.

No discurso, Umaro Sissoco Embaló, que pertence à etnia fula, abordou também a questão étnica nas Forças Armadas, afirmando que é “mentira” que os balantas o queiram matar.

“Como há balantas que não prestam, assim existem fulas que não valem nada. Não foram todos os fulas que me apoiaram para ser Presidente da República. Estava ao meu lado Nuno Nabiam (primeiro-ministro guineense), ele é balanta”, disse.

“Estão aqui muitos balantas que sempre me protegeram. Temos de acabar com esta expressão de que quem pensa que é valente é porque é balanta. Não criemos problemas entre as etnias da Guiné-Bissau”, afirmou.

O Presidente guineense disse que a Guiné-Bissau precisa de unidade nacional, insistindo que a “cultura de violência, não pode ser a cultura do militar”.

“Imaginem se no dia 01 de fevereiro o golpe tivesse sido consumado. Se tivessem tirado o Presidente e o Governo, onde é que o país estava hoje. Quer dizer que vamos fazer regredir o país mais 20 anos?”, questionou Umaro Sissoco Embaló, lembrando que as Forças Armadas se devem subordinar ao poder político.

“Não aceitem ser utilizados por gente que quer o poder sem ser através das urnas. Penso que todos viram que a Guiné está a mudar”, acrescentou o Presidente guineense.

Recomendadas

Supremos Tribunais de Justiça lusófonos juntos em São Tomé e Príncipe para debater independência

“O Fórum dos presidentes dos Supremos Tribunais de Justiça dos países e territórios da língua portuguesa é uma efetivação da existência da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, a CPLP, pois, a CPLP é muito mais que uma comunidade política, ela deve ter a expressão em todas as áreas de intervenção pública e privada”, declarou o Presidente são-tomense Carlos Vila Nova na abertura do evento.

Angola estuda impacto social de fim dos subsídios ao preço dos combustíveis

Segundo Vera Daves, Angola está a analisar com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) as “possíveis” medidas de mitigação do impacto social, porque as “preocupações mantêm-se” relativamente ao potencial impacto social da remoção dos subsídios aos combustíveis, que têm um preço muito baixo e não reflete a oscilação do mercado internacional.

Angola. Processo de reprivatização da UNITEL já começou (com áudio)

Em outubro, o presidente de Angola anunciou a transferência para o Estado, através de nacionalização, das participações da Vidatel e da Geni na operadora de telecomunicações angolana Unitel, detidas até então por Isabel dos Santos e pelo general Leopoldino Fragoso do Nascimento “Dino”.
Comentários