Presidente da Moldova apela à calma e anuncia reforço de segurança após ataques

A Presidente da Moldova, Maia Sandu, pediu hoje “calma” e anunciou medidas para fortalecer a segurança do país que faz fronteira com a Ucrânia, após uma série de explosões na região separatista pró-Rússia da Transnístria.

A Presidente da Moldova, Maia Sandu, pediu hoje “calma” e anunciou medidas para fortalecer a segurança do país que faz fronteira com a Ucrânia, após uma série de explosões na região separatista pró-Rússia da Transnístria.

“Trata-se de uma tentativa de aumentar as tensões (…) Apelamos aos nossos concidadãos que mantenham a calma e se sintam seguros”, disse Maia Sandu, após uma reunião do conselho de segurança nacional, anunciando o reforço dos controlos de transporte e patrulhas de fronteira.

A Presidente atribuiu os ataques terroristas perpetrados nas últimas 24 horas na região separatista da Transnístria, à luta entre forças internas interessadas em desestabilizar a situação.

“De acordo com as informações que temos, as tentativas de escalada estão relacionadas com forças internas da Transnístria que querem uma guerra e estão interessadas em desestabilizar a situação”, disse Sandu.

“Condenamos todas as provocações e tentativas de envolver a Moldova em ações que possam ameaçar a paz no país”, insistiu a chefe de Estado.

Nas últimas 24 horas, pelo menos três ataques foram realizados no território do enclave separatista, segundo o Conselho de Segurança da Transnístria.

A Transnístria, território de apenas meio milhão de habitantes, a maioria eslavos, cortou relações com a Moldova após um conflito armado (1992-1993), no qual contou com ajuda russa.

Desde o fim desse conflito, que custou a vida de centenas de pessoas, a Moldova defendeu a integração dos dois territórios divididos pelo rio Dniester, uma condição que os separatistas sempre se recusaram a aceitar.

No âmbito do Acordo para a Solução Pacífica do conflito da Transnístria, assinado em julho de 1992, a Rússia estacionou 2.400 soldados para garantir a paz na região, mas esse contingente foi reduzido ao longo dos anos.

 

Recomendadas

CEO da Microsoft destaca plataforma para ajudar a Ucrânia criada por português

Satya Nadella diz que o “Ukraine Live Aid”, para prestar apoio aos refugiados ucranianos, foi um dos trabalhos “significativos” e “muito necessários” que feitos com as Power Pages da Microsoft.

Ocidente deve ser mais brando com a Rússia e a Ucrânia deve ceder, defende Kissinger

Segundo o ex-secretário de Estado dos EUA, os líderes europeus não devem perder de vista o relacionamento de longo prazo com a Rússia, nem devem arriscar empurrá-la para uma aliança permanente com a China. O antigo campeão de xadrez Garry Kasparov disse que essa posição, para além de imoral, foi provada errada repetidamente.

Mais de 200 corpos encontrados em cave de Mariupol

Informação foi avançada por Petro Andryushchenko, conselheiro do presidente da câmara de Mariupol.
Comentários