Presidente da República condecora hoje Durão Barroso por serviços “de extraordinária relevância”

O Presidente da República vai condecorar hoje o ex-presidente da Comissão Europeia José Manuel Durão Barroso com o Grande Colar da Ordem do Infante D. Henrique, por serviços “de extraordinária relevância” para Portugal e União Europeia. A condecoração está marcada para as 12h00, poucos dias depois de Durão Barroso ter terminado o seu mandato à […]

O Presidente da República vai condecorar hoje o ex-presidente da Comissão Europeia José Manuel Durão Barroso com o Grande Colar da Ordem do Infante D. Henrique, por serviços “de extraordinária relevância” para Portugal e União Europeia.

A condecoração está marcada para as 12h00, poucos dias depois de Durão Barroso ter terminado o seu mandato à frente da Comissão Europeia, na passada sexta-feira.

Durão Barroso será o segundo português a receber esta condecoração a título excecional, já que o Grande-Colar da Ordem do Infante D. Henrique se destina a chefes de Estado. Em 2001, a distinção foi atribuída pelo antigo Presidente da República Jorge Sampaio ao último governador português em Macau, Vasco Rocha Vieira.

A Presidência sublinha que esta condecoração é atribuída a Durão Barroso após dez anos no “mais alto cargo internacional alguma vez assumido por um português”, tendo realizado “serviços de extraordinária relevância” a Portugal e à União Europeia.

Desde 2004, altura em saiu do Governo para assumir a liderança da Comissão Europeia, Durão Barroso já recebeu várias condecorações pelo exercício do cargo entre as quais se contam Cruz Maarjamaa de 1.ª classe, da Estónia, em 2009, o Grande Colar de Timor-Leste, em 2010, a Grã-Cruz da Real y Distinguida Orden Española de Carlos III, de Espanha, em 2011, a medalha de Primeiro Grau da Ordem de Amílcar Cabral, de Cabo Verde, em 2012, e Grande Oficial da Légion d’Honneur, de França, em julho passado.

OJE/Lusa

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

Cotrim de Figueiredo diz que a única certeza na TAP é a perda de dinheiro

O líder da IL comentava as declarações do primeiro-ministro, que disse, na quinta-feira, esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.