Presidente da República da Guiné-Bissau afirma que dissolução do parlamento está em cima da mesa

Umaro Sissoco Embaló vai reunir-se na quinta-feira, em audições separadas, com o presidente do parlamento guineense, Cipriano Cassamá, e com os partidos com representação parlamentar.

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, disse hoje que a dissolução do parlamento continua em cima da mesa, quando questionado sobre o assunto.

Umaro Sissoco Embaló vai reunir-se na quinta-feira, em audições separadas, com o presidente do parlamento guineense, Cipriano Cassamá, e com os partidos com representação parlamentar.

O Presidente convocou igualmente para quinta-feira o Conselho de Estado.

“Convoquei, tenho de falar com as pessoas, não sou um homem prepotente, sou um democrata, vim de uma sociedade hierarquizada”, disse Sissoco Embaló, referindo-se ao facto de ter vindo das Forças Armadas.

O chefe de Estado falava aos jornalistas no aeroporto Osvaldo Vieira, em Bissau, no final da visita do Presidente da República do Congo .

“Eu é que sei o que é crise, não são deputados”, acrescentou Umaro Sissoco Embaló, que tem criticado a atuação de alguns deputados no parlamento guineense, considerando que abandonar é crise.

Segundo a Constituição da Guiné-Bissau, a dissolução do parlamento é uma das competências do chefe de Estado desde que haja uma grave crise institucional.

Os partidos políticos com representação parlamentar no país reagiram de forma cautelosa, com alguns a recusarem comentar e outros a salientarem que o Presidente tem essa competência, mas que não há uma crise institucional.

O presidente do Movimento da Sociedade Civil da Guiné-Bissau, Fodé Caramba Sanhá, disse a semana passada que não há nenhum sinal de crise que possa justificar a queda do parlamento guineense.

O parlamento da Guiné-Bissau aprovou hoje o Orçamento do Estado para 2021, mas sem a presença da maior parte dos deputados do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), com exceção de cinco deputados que já tinham votado a favor do programa de Governo de Nuno Nabiam, de quatro deputados da Assembleia do Povo Unido-Partido Democrático da Guiné-Bissau e do deputado da União para a Mudança.

“Temos de viver em paz, harmonia e respeito mútuo”, afirmou Sissoco Embaló.

Recomendadas

UNITA quer esclarecimentos do Governo sobre greve dos pilotos da TAAG

O sindicato dos pilotos da companhia aérea de bandeira de Angola convocou uma greve entre os dias 7 (amanhã) e 16 de outubro.

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.
Comentários