Presidente da República de São Tomé e Príncipe pede investigação e responsabilização de culpados de mortes após ataque a quartel

Após o ataque de sexta-feira da semana passada ao quartel militar, numa ação classificada como “tentativa de golpe de Estado” pelas autoridades são-tomenses, o Presidente esclareceu que as “investigações prosseguem no sentido do apuramento geral da verdade”.

O Presidente da República de São Tomé e Príncipe, Carlos Vila Nova, afirmou hoje que todos os atos ocorridos após o ataque ao quartel militar do Morro “devem ser cabalmente investigados e os culpados responsabilizados”.

Após o ataque de sexta-feira da semana passada ao quartel militar, numa ação classificada como “tentativa de golpe de Estado” pelas autoridades são-tomenses, o Presidente esclareceu que as “investigações prosseguem no sentido do apuramento geral da verdade”.

Na sequência destes eventos, quatro pessoas morreram em circunstâncias que estão sob investigação, e 16 foram detidas, incluindo 12 militares.

Entre os mortos está o antigo oficial do ‘batalhão Búfalo’ Arlécio Costa, condenado em 2009 por tentativa de golpe de Estado, e apontado como suspeito de ser um dos mandantes do ataque juntamente com o ex-presidente da Assembleia Nacional Delfim Neves – ambos detidos pelos militares nas suas respetivas casas.

Carlos Vila Nova reforçou a necessidade de se apurarem responsabilidades e destacou a urgência de se responsabilizar todos os culpados.

“Com a tentativa de assalto ao quartel de Morro por um grupo de insurgentes, bem como relativamente aos incidentes que se seguiram, lamento profundamente, mais uma vez, a perda de vidas. No decurso deste ato, continuarei atento ao desenrolar das investigações que se prosseguem com vista ao apuramento da verdade, sobretudo nas circunstâncias em que aconteceram as mortes e a responsabilização de todos os culpados”, reiterou o Presidente.

Esta quarta-feira foram divulgados nas redes sociais vídeos que mostram um detido – que viria a morrer –, deitado no chão, ensanguentado e com as mãos amarradas atrás das costas, a ser agredido por um militar com um pau, enquanto vários outros militares assistiam. Outras imagens mostram detidos deitados ou ajoelhados no terreiro do quartel, com as mãos amarradas e com ferimentos.

No próprio dia do ataque e nos dias seguintes foram amplamente disseminadas imagens dos homens com marcas de agressão, ensanguentados e com as mãos amarradas atrás das costas, ainda com vida, e também já na morgue.

Sobre a disseminação deste conteúdo violento, Carlos Vila Nova, lamenta o sucedido e considerou que esta situação “eticamente era evitável”.

Por isso, o chefe de Estado veio “pedir desculpas pela forma como têm sido feitas as divulgações das imagens das ocorrências que se seguiram, após o confronto registado no quartel do Morro e que acabaram com as mortes que se conhecem. Acho que eticamente era evitável estas imagens”, reforçou o Presidente são-tomense.

O chefe de Estado apelou, ainda, à contenção da população para que a justiça possa fazer o seu trabalho e relembrou “que os rumores não são factos”.

Muitas vezes os rumores “têm o propósito de nos desviarem do essencial. Peço, assim, a contenção de todos. Por isso, vamos aguardar, serenamente, que a justiça faça o seu trabalho e todos os responsáveis sejam chamados à responsabilidade”, disse.

Carlos Vila Nova, endereçou ainda os “sentidos pêsames” às famílias das vítimas e ao povo de São Tomé e Príncipe e disse contar com “bom senso” de todos para que a verdade possa ser apurada, “para o bem” do país.

“Conto com o bom senso e colaboração de todos para conclusão de forma serena do apuramento da verdade e a justiça seja feita para o bom, para o bem de São Tomé e Príncipe”, acrescentou o Presidente.

Recomendadas

Presidente da Guiné-Bissau confiante na criação da moeda de países do oeste africano até 2027

O presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, afirmou hoje estar confiante na criação da moeda única da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, denominada Eco, em 2027 e admitiu ser normal as reservas de alguns países.

Mali. ONU lança apelo por 688 milhões de euros para ajudar 5,7 milhões de pessoas

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou hoje um apelo por 751 milhões de dólares (688 milhões de euros) para dar resposta às necessidades urgentes de 5,7 milhões de pessoas no Mali.

FMI apoia Guiné-Bissau a redigir o novo regime de isenções fiscais

A missão liderada por David Baar, economista sénior do Departamento de Assuntos Fiscais do FMI, vai permanecer no país até sexta-feira e na segunda-feira já esteve reunida com os secretários de Estado do Tesouro, Orçamento e Assuntos Fiscais e os diretores-gerais das Alfândegas, das Contribuições e Impostos e da Previsão e Estudos Económicos.
Comentários