Presidente da República defende solução para a TAP e diz que era a única possível

Em entrevista à SIC, o Presidente lembrou a importância estratégica da empresa junto das comunidades emigrantes e argumenta que o Plano de Reestruturação deve ser desenhado pelo Governo, sendo a Assembleia alvo de consulta apenas em caso de repercussões orçamentais não previstas no Orçamento do Estado.

Rui Ochoa / Presidência da República / Lusa

Marcelo Rebelo de Sousa reconhece a gravidade da situação na TAP, mas defende que a importância estratégica da companhia requer a sua preservação, sendo que esta prossegue nos únicos moldes possíveis. As declarações foram proferidas em entrevista à SIC esta sexta-feira, a primeira depois do anúncio da recandidatura a Presidente da República (PR).

Reconhecendo que o montante avançado pelo Governo como passível de ser injetado na TAP pode ser um problema, especialmente caso se confirmem os 3,7 mil milhões de euros até 2025, Marcelo lembrou que a crise na aviação é “uma realidade que, nesta nova fase, não foi só portuguesa, foi europeia” e que a solução apresentada era a única possível, pois qualquer apoio necessitaria da aprovação de Bruxelas.

O PR começou por destacar a relevância e o papel da companhia aérea junto das comunidades portuguesas no estrangeiro, um papel que “ninguém substituirá”. Além disso, Marcelo argumenta que deve ser levada em conta a pandemia e o seu impacto na aviação, que agravou o problema que a empresa já vivia e a conta da sua reestruturação.

O presidente prosseguiu lembrando que a única entidade competente para tomar decisões estratégicas como “quantos aviões se vendem” é o Governo, algo que chegou a ser questionado, com sugestões de que a matéria fosse votada na Assembleia da República.

“A AR tem algo a dizer se houver repercussões orçamentais”, defendeu Marcelo Rebelo de Sousa.

Recomendadas

Prémio “João Vasconcelos – Empreendedor do ano 2022” atribuído aos fundadores da Coverflex

O prémio de “Empreendedor do Ano” foi entregue pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, e por Bernardo Correia, ‘country manager’ da Google Portugal, entidade parceira desta edição.

Empresa aeronáutica prevê 6 milhões para começar a produzir aviões em Cabo Verde

“Venho elaborando este projeto já há dois anos, criei a empresa Aeronáutica Checo-Cabo-verdiana, empresa que irá produzir os aviões da Orlican e Air Craft Industries em Cabo Verde”, afirma Mónica Sofia Duarte.

BPI e FCT financiam 20 projetos e nove ideias para o desenvolvimento sustentável no Interior

A edição de 2022 do Programa Promove, uma iniciativa da Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI e em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), concedeu apoios a fundo perdido de perto de 3,6 milhões a um total de 20 projetos e nove ideias destinados a impulsionar o desenvolvimento sustentável de regiões do interior de Portugal.
Comentários