Presidente da República promulga diploma de investimento para o Interior

O Presidente da República promulgou hoje dois diplomas, um que cria um programa de investimentos para o Interior e outro que altera o estatuto dos guardas-florestais, permitindo a contratação de 200 novos elementos.

O diploma que cria e regulamenta o Programa de Captação de Investimento para o Interior (PC211), hoje promulgado por Marcelo Rebelo de Sousa e aprovado pelo Conselho de Ministros a 18 de outubro, cria uma comissão de promoção e a simplificação de procedimentos com o objetivo de “estruturar os esforços de captação de investimento para o interior”, segundo o Governo.

Sobre este diploma, o ministro-Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, referiu que o programa tem duas vertentes, sendo uma delas “a criação de uma comissão de promoção de investimento no interior” – associando “diversas entidades públicas, entre as quais a AICEP e o IAPMEI, mas também com a participação de atores locais” -, para “assegurar que os esforços externos de atração de investimento para Portugal possam também ter uma visibilidade maior relativamente aos territórios do interior”.

A segunda componente do decreto-lei pretende simplificar os procedimentos relativos a investimentos realizados no interior, nomeadamente “intenções de investimento que tenham uma dimensão de investimento superior a 10 milhões de euros ou que preencham outros requisitos, designadamente serem oriundos de investidores portugueses da diáspora”.

Este programa surge na sequência de decisões tomadas no Conselho de Ministros Extraordinário, que decorreu na Pampilhosa da Serra, distrito de Coimbra, em 14 de julho, após o qual o Governo anunciou a criação de um programa de concursos de 1.700 milhões de euros para apoiar o investimento empresarial no interior, no âmbito da reprogramação do Portugal 2020.

Marcelo Rebelo de Sousa promulgou hoje também o diploma que altera o estatuto profissional da guarda-florestal, visando a continuidade da carreira e a admissão de 200 novos elementos para integrar o corpo de guardas-florestais.

O diploma tinha sido aprovado pelo Conselho de Ministros realizado em 25 de outubro na Tapada de Mafra.

“Os guardas florestais irão renascer, serão um parceiro fundamental dos responsáveis pela política florestal, designadamente do Ministério da Agricultura”, vincou, na conferência após a reunião do Conselho de Ministros, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

O Governo referiu que as medidas tomadas neste Conselho de Ministros “tomam por base as conclusões e recomendações” dos relatórios produzidos pela Comissão Técnica Independente (CTI) aos incêndios de 2017.

Recomendadas

Luís Menezes Leitão formaliza recandidatura a bastonário da Ordem dos Advogados

O atual bastonário da Ordem dos Advogados, Luis Menezes Leitão, anunciou que formalizou esta terça-feira em Lisboa a sua recandidatura ao cargo para o triénio 2023-2025.

Censura do Chega a Santos Silva “padece de inconformidade constitucional e regimental”

A iniciativa do Chega que pretende censurar o comportamento do presidente do parlamento, Augusto Santos Silva, “padece de inconformidade constitucional e regimental”, não tendo condições para ser admitida, defende um parecer elaborado pela deputada única do PAN.
Carlos Moedas

Um ano de Carlos Moedas. Oposição lança críticas à liderança do autarca da Câmara de Lisboa

No geral, PS, PCP e BE fazem uma avaliação negativa da liderança do presidente da Câmara Municipal de Lisboa e todos os partidos falam em retrocessos ou más decisões, especialmente no que toca à habitação.
Comentários