Presidente da República promulgou Lei de Bases do Clima

Com a promulgação de Marcelo o país passa a ter o compromisso de reduzir as emissões de carbono em pelo menos 55% até 2030.

Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República promulgou a Lei de Bases do Clima, esta segunda-feira, 13 de dezembro. Em comunicado na página da presidência é destacado que “o Presidente da República promulgou o Decreto da Assembleia da República aprovando a Lei de Bases do Clima”.

No passado dia 5 de novembro a Assembleia da República aprovou, em votação final global, o decreto relativo à Lei de Bases do Clima com votos a favor do Partido Socialista (PS), Partido Social Democrata (PSD), CDS-PP, Verdes, PAN, Chega e deputadas não inscritas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues.

Por sua vez, a Lei de Bases do Clima contou com abstenções Partido Comunista Português (PCP), que apresentou um projeto de lei de bases do clima próprio, e voto contra da Iniciativa Liberal.

O texto final da lei agrega projetos de lei apresentados pelo PS, PSD, Verdes, PAN, Bloco de Esquerda e deputadas não-inscritas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues.

A lei aprovada pelo Parlamento e Presidente da República define que  Portugal deverá reduzir, em relação aos valores de 2005,  as emissões em pelo menos 55% até 2030 e entre 65% e 75% até 2040.

Relacionadas

Assembleia da República aprova Lei de Bases do Clima

O texto final da Lei, foi aprovado em votação final global pelo PS, PSD, CDS-PP, Verdes, PAN, Chega deputadas não inscritas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues, abstenção do PCP e voto contra da Iniciativa Liberal.

PSD quer reconhecimento de “clima estável” como património comum da humanidade

Na semana em que Portugal comprometeu-se em reduzir as emissões de metano em 30% na 26ª cimeira das Nações Unidas sobre alterações climáticas, o PSD recomenda ao Governo reconhecimento de “clima estável” como património comum da humanidade, juntando-se assim ao PS e PAN que já tinham dado entrada no Parlamento de propostas semelhantes.

Clima: Deputados socialistas querem antecipar neutralidade carbónica em cinco anos

Num comunicado hoje divulgado o grupo parlamentar do PS explica que quer que o Governo faça nos próximos três anos um estudo para sustentar a antecipação em cinco anos da meta da neutralidade carbónica, “no mínimo 2045”.
Recomendadas

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.
Comentários