Presidente da República timorense expressa condolências pela morte de “mulher extraordinária”

Ramos-Horta recordou os apoios “críticos” que o Reino Unido deu a Timor-Leste em 1999, na altura do referendo e depois do voto de independência, e relembrou os muitos imigrantes timorenses que hoje vivem no país.

O Presidente de Timor-Leste expressou hoje “sinceras condolências” à família real e ao povo do Reino Unido e do Commonwealth pela morte da rainha Isabel II, que classificou como “uma mulher extraordinária”.

“É uma perda para o povo britânico e para o Commonwealth. Uma mulher extraordinária, símbolo do Reino Unido e que serviu o seu país durante 70 anos. Que a sua alma repouse em paz, junto do falecido esposo, duque de Edimburgo”, disse José Ramos-Horta em Camberra onde está em visita de Estado.

Ramos-Horta recordou os apoios “críticos” que o Reino Unido deu a Timor-Leste em 1999, na altura do referendo e depois do voto de independência, e relembrou os muitos imigrantes timorenses que hoje vivem no país.

“O Reino Unido foi sempre um grande parceiro de Timor-Leste no período crítico de 1999. O Governo foi muito solidário com Timor-Leste e tem sido um grande parceiro nosso. Temos milhares de timorenses a viver no Reino Unido, a fazer as suas vidas, e por isso estamos ligados ao Reino Unido”, disse.

O chefe de Estado disse que apenas conheceu um dos membros da família real, a princesa Ana, com quem se encontrou várias vezes. A princesa Ana visitou Timor-Leste e apoiou programas no país, incluindo o fabrico de cadeiras de rodas.

Já o ex-chefe de Estado Xanana Gusmão, como responsável do Conselho para a Delimitação Definitiva das Fronteiras Marítimas, sublinhou o “extraordinário contributo no curso da história moderna” de Isabel II, que “deixou um legado profundo”.

O líder histórico timorense lembrou o sentido de humor da monarca e que foi condecorado em 2003 pela rainha com a “Honorary Knighthood of the Grand Cross of the Order of St. Michael & St. George”.

Isabel II expressou “grande interesse pessoal” em como era conduzida a resistência timorense face à ocupação indonésia, mostrando-se “muito conhecedora” da luta pela independência, recordou.

Na carta dirigida ao filho, que assume agora as funções de rei como Carlos III, Xanana Gusmão destacou a solidariedade do povo timorense para com o momento difícil que está a viver e assinalou que o mundo, agora, “olha para a sua orientação (…) e liderança”.

A rainha Isabel II morreu aos 96 anos no Castelo de Balmoral, na Escócia, após mais de 70 anos do mais longo reinado da história do Reino Unido.

Elizabeth Alexandra Mary Windsor nasceu em 21 de abril de 1926, em Londres, e tornou-se rainha de Inglaterra em 1952, aos 25 anos, na sequência da morte do pai, George VI, que passou a reinar quando o seu irmão abdicou.

Recomendadas

Conheça algumas das citações mais emblemáticas de Isabel II

“Declaro diante de todos vós que toda a minha vida, seja longa ou curta, será dedicada ao vosso serviço e ao serviço da nossa grande família imperial à qual todos pertencemos”, é uma das frases mais marcantes da rainha, que foi proferida no seu 21.º aniversário.

🔴 Em direto. Acompanhe o último adeus a Isabel II

Decorrem as cerimónias fúnebras da monarca britânica, após dez dias de luto. Centenas de líderes mundiais marcam presença no funeral de Isabel II, que morreu no dia 9 de setembro, aos 96 anos. Acompanhe em direto.

Cerca de 500 líderes mundiais marcam presença no funeral da rainha Isabel II

Marcelo Rebelo de Sousa, Joe Biden, Emmanuel Macron e Ursula von der Leyen estão entre os líderes presentes no funeral da rainha.
Comentários