Presidente da Turquia em viagem de três dias nos Balcãs

Bósnia-Herzegovina, Sérvia e Croácia formam o roteiro de Recep Erdogan, numa viagem a uma região que a União Europeia quer incorporar, mas onde a influência turca é evidente.

O presidente turco, Recep Erdogan, estará três dias (a partir desta segunda-feira) nos Balcãs, tendo visitas marcadas para a Croácia, Bósnia-Herzegovina e Sérvia, para deixar bem claro à União Europeia (UE) que o seu país tem sempre uma palavra a dizer quando o assunto é a sua antiga possessão otomana.

Os Balcãs Ocidentais estão há décadas para entrar na UE, mas só quando a Rússia invadiu a Ucrânia é que a Comissão e o Conselho decidiram que estava chegada a hora de fazer qualquer coisa para aumentar o ritmo do alargamento. Até então, essa decisão estava metida numa gaveta, como ficou bem claro durante a presidência da Eslovénia (que se seguiu à de Portugal) do Conselho da União.

A Eslovénia tinha na abertura uma das suas prioridades, mas nada aconteceu. Pelo contrário, declaração à época de Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, dava conta de que o alargamento teria de esperar por melhores dias. Não só do lado de lá – onde os países do alargamento não cumpriam os critérios de entrada – como do lado de cá: o alargamento havia deixado de ser uma prioridade política.

A invasão da Ucrânia alterou tudo e o alargamento aos Balcãs – região povoada por milhões de eslavos que tradicionalmente se encontram próximos de Moscovo – passou a ser uma prioridade. Atabalhoada, como disseram os críticos e como Erdogan não tem deixado de referir. Ainda no final da semana passada, na cimeira do Open Balkans, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Turquia voltou a referir isso mesmo. A visita de Erdogan é, neste quadro, uma manifestação da força que a Turquia mantém na região.

Segundo a imprensa turca, durante a viagem de Erdogan serão realizadas reuniões bilaterais e inter-delegações em Sarajevo, Belgrado e Zagreb. Empresários turcos também acompanharão Erdoganna viagem. Espera-se que novos acordos sejam assinados, especialmente sobre o desenvolvimento das relações económicas – talvez como especial incidência no capítulo energético, onde as debilidades regionais são muitas.

Os empresários turcos têm investimentos significativos na Sérvia. Aliás, o presidente sérvio Aleksandar Vucic visitou a Turquia em janeiro passado. O objetivo é aumentar o volume de comércio entre os dois países dos atuais dois mil para os cinco mil milhões de euros, segundo as mesmas fontes.

Erdogan promete não deixar de mencionar a tensão entre os Kosovo e a Sérvia, que aumentou recentemente e que é um dos temas mais difíceis da região – só por si capaz (se os critérios não forem alterados) de bloquear a entrada dos dois países na UE.

Durante a visita à Bósnia-Herzegovina, Erdogan enfatizará que a Turquia continua a apoiar a integridade territorial e a estabilidade política. O presidente turco estará esta terça-feira em Sarajevo numa altura em que decorre oficialmente a campanha para as eleições gerais na federação (a 2 de outubro). “A situação na Bósnia-Herzegovina será a nossa prioridade. Não podemos permitir que exista um conflito no coração dos Balcãs”, disse o ministro dos Negócios Estrageiros turco na referida cimeira de sexta-feira passada.

Finalmente, a cooperação económica e comercial entre a Turquia e a Croácia, cujas relações bilaterais estão a comemorar 30º aniversário, ganhou forte impulso nos últimos anos. Nesse contexto, espera-se que o comércio entre os dois países chegue aos mil milhões de euros no final deste ano.

Recomendadas

Itália. Encontrar ministros ‘aceitáveis’ pelo Presidente será desafio para Meloni

Vencedor das eleições de domingo à frente de uma coligação de direita e extrema-direita que poderá ter a maioria dos lugares parlamentares, o partido Irmãos de Itália “cresceu, mas a classe dominante permaneceu a mesma do que quando pesava 1%” dos votos, disse à Lusa Francesco Costa, diretor do site de notícias Il Post e especialista em política internacional.

Ex-governante dos EUA Mike Pompeo diz que acabou era da “cooperação cega” com China

“Se queremos um século XXI livre, não o século chinês, aquele com que [o Presidente da China] Xi Jinping sonha, o velho paradigma da cooperação cega deve acabar”, afirmou, num fórum económico em Kaohsiung.

União Europeia e NATO concordam emitir nova declaração conjunta

Num encontro mantido ontem, Ursula von der Leyen e Jens Stoltenberg falaram sobre a agressão russa contra a Ucrânia e sobre o aumento do apoio a este país, para além da cooperação entre Bruxelas e a aliança atlântica, de acordo com o que partilharam nas suas redes sociais.
Comentários