Presidente de Cabo Verde ainda sem “posição definitiva” sobre data das legislativas e presidenciais

Explicando todos os contornos legais, as hipóteses avançadas por todas essas entidades e os atrasos no processo de recenseamento na diáspora, o Presidente disse que ainda não tem uma “posição definitiva” e que vai “ponderar” e nos próximos dias vai anunciar as dadas.

O presidente cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, disse esta segunda-feira ainda não tem uma “posição definitiva” quanto à data das eleições legislativas e presidenciais do próximo ano, depois de já ter auscultado o Conselho da República, partidos políticos e outras entidades.

Jorge Carlos Fonseca falava à imprensa, na cidade da Praia, após reunião do Conselho da República, órgão político de consulta do Chefe de Estado, e de anteriormente ter auscultado os partidos políticos com registados no Tribunal Constitucional e outras entidades.

Explicando todos os contornos legais, as hipóteses avançadas por todas essas entidades e os atrasos no processo de recenseamento na diáspora, o Presidente disse que ainda não tem uma “posição definitiva” e que vai “ponderar” e nos próximos dias vai anunciar as dadas.

Relativamente às questões legais, o Presidente da República explicou que teoricamente as legislativas deveriam acontecer entre os dias 21 de março e 20 de maio, respeitando os 30 dias antes ou 30 dias depois da data da posse do atual Governo, a 22 de abril de 2016.

Quanto às presidenciais, tanto a primeira como eventual segunda volta, devem ocorrer entre 45 dias e 25 dias anterior ao termo de mandato do atual Presidente, que é a 20 de outubro de 2021, tendo por isso como balizas entre 10 e 25 de setembro.

“Se for só isto eu não teria problemas. Era só ouvir e ver a data mais adequada”, salientou Jorge Carlos Fonseca, adiantando que vai levar em conta outros fatores, nomeadamente os atrasos no processo de recenseamento na diáspora e dificuldades de ordem logística, motivados pela pandemia da covid-19.

O Presidente reafirmou igualmente que não quer prolongar o seu mandado além de 20 de outubro, embora a Constituição da República dá essa possibilidade, mas por razões ponderosas, neste casos legislativas anteriores, e pelo “tempo que for necessário”.

“Ouvi argumento de uns e de outros, todos eles ponderosos. À partida ia à reunião com algumas ideias quanto a datas e neste momento entendo que devo, num curto prazo, ponderar tudo e marcar as datas, procurando cumprir regras constitucionais e legais sobre a matéria”, explicou.

O chefe de Estado cabo-verdiano sublinhou ainda que não há nenhuma data que permitir cumprir todos das exigências, tanto legais como outras, mas garantiu que vai tomar uma posição “legal e ajustada” à situação pandémica que o país vive.

O político disse que tinha ideia de fazer o anúncio ao país antes do final deste ano, mas legalmente tem até pelo menos 10 de janeiro, e que vai marcar a data das duas eleições no mesmo dia.

As últimas eleições legislativas em Cabo Verde aconteceram em 20 de março de 2016 e as presidenciais realizaram-se em 02 de outubro de 2016, reelegendo à primeira volta, com 74% dos votos, Jorge Carlos Fonseca, que cumpre o segundo e último mandato.

Em 25 de outubro, o país realizou as suas oitavas eleições municipais, que são convocadas pelo Governo, mancando o início do ciclo eleitoral em Cabo Verde, que se prolonga até 2021.

O Conselho da República é um órgão político de consulta do Presidente da República, que o preside, sendo composto ainda pelo presidente da Assembleia Nacional, primeiro-ministro, presidente do Tribunal Constitucional, Provedor de Justiça, presidente do Conselho Económico, Social e Ambiental, antigos presidentes da República e cinco cidadãos designados pelo chefe de Estado.

Recomendadas

Moçambique. Perto de um milhão de pessoas fugiram à violência nos últimos cinco anos

O Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) estimou hoje que perto de um milhão de pessoas tenham fugido às incursões armadas de rebeldes no norte de Moçambique nos últimos cinco anos.

Banco Mundial revê crescimento da África subsaariana em baixa para 3,3% este ano

“Os ventos contrários globais estão a abrandar o crescimento económico africano, com os países a continuarem a lidar com a subida da inflação e as dificuldades no progresso na redução da pobreza”, lê-se no relatório Pulsar de África, hoje divulgado em Washington, nas vésperas dos Encontros Anuais do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

São Tomé: Presidência da CPLP sublinha “espírito positivo de todos os atores políticos”

“O Presidente João Manuel Gonçalves Lourenço, presidente da CPLP, mandou-me aqui a São Tomé para conversar com as autoridades locais, também com outros autores da sociedade de São Tomé e Príncipe, neste momento histórico em que o país acaba de passar por um processo eleitoral”, disse o ministro das Relações Exteriores de Angola, Teté António, após um encontro com o Presidente são-tomense, Carlos Vila Nova.
Comentários