Presidente de Cabo Verde quer poder político a fazer gestão dos “sinais e insatisfações”

Quanto às declarações de Ulisses Correia e Silva que indicam “não poder fazer nada por decisão política”, o chefe de Estado afirmou ter ouvido isso na comunicação social e defendeu que é preciso saber ler e interpretar as declarações feitas por políticos.

O Presidente da República defendeu esta quarta-feira que o poder político tem de ter noção de que tem de fazer uma gestão dos “sinais e insatisfações” para poder manter “razoável a satisfação” a nível nacional, social e regional.

Jorge Carlos Fonseca fez essa declaração quando convidado pela comunicação social a dar sua opinião sobre a manifestação realizada domingo, 16, em São Vicente, pelo Movimento Sokols, uma forma de pressionar o Governo para a reposição dos voos internacionais da Cabo Verde Airlines, de e para a ilha.

“A manifestação é um direito consagrado na constituição e, de certa maneira, a expressão é de salutar numa vivencia democrática, mas o que diria é que nós, o Governo, a presidência e todos outros, devemos acompanhar e estar atentos para interpretar os sinais para que quando forem relevantes e de legítima expressão de insatisfação, se traduzam em concretização de políticas públicas”, disse.

Quanto às declarações de Ulisses Correia e Silva que indicam “não poder fazer nada por decisão política”, o chefe de Estado afirmou ter ouvido isso na comunicação social e defendeu que é preciso saber ler e interpretar as declarações feitas por políticos.

“Eu interpretei isso no sentido que o primeiro-ministro quis dar a entender que as políticas empresariais são decididas pelas empresas e que não se pode administrativamente impor medidas se elas não têm sentido no ponto de vista da lógica empresarial”, explicou.

O Governo, segundo disse, deve ter em conta a dimensão do tecido empresarial, no caso de São Vicente, analisar a sua importância e influenciar com medidas políticas para que haja “mais apoio e ligações aéreas mais abrangentes”.

Quanto à participação do Presidente da República no empossamento do homólogo brasileiro, Jorge Carlos Fonseca avançou que recebeu o convite enquanto e porque também esta a exercer a presidência por tempere da CPLP há uma “grande possibilidade” de poder estar presente na cerimónia do dia 01 de Janeiro de 2019, em Brasília.

Recomendadas

Cabo Verde quer cortar perdas de eletricidade na rede pública em 5,5 pontos em 2023

O Banco Europeu de Investimento vai financiar com 110 milhões de escudos (um milhão de euros) um programa para reduzir em 5,5 pontos percentuais as perdas de eletricidade na rede pública de distribuição em Cabo Verde em 2023, segundo o Governo.

CPLP: presidente da Guiné Equatorial à frente das contagens com 99,7% dos votos

A oposição denúncias fraude em massa e o único partido da oposição recusa reconhecer a vitória do líder octogenário, Teodoro Obiang. Há um mês, a CPLP congratulava-se com a integração do país como “Estado de pleno direito”.

Cabo Verde. Presidente assinala primeiro ano de mandato com críticas à crispação e avisos ao Governo

O Presidente da República cabo-verdiana, José Maria Neves, criticou hoje a “crispação” que permanece na política nacional, alertou que os tempos atuais “exigem consensos” e avisou que não é oposição, mas também não é “claque” do Governo.
Comentários