Presidente de Taiwan falha estratégia de usar a China como ameaça

Tsai Ing-wen renunciou ao cargo de líder do Partido Democrático Progressista depois de a sua estratégia de enquadrar as eleições locais como uma demonstração de desafio à China não ter conquistado o eleitorado.

2 – Hsinchu (Taiwan)

A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, renunciou ao cargo de líder do Partido Democrático Progressista (DPP) este sábado, depois de a sua estratégia de enquadrar as eleições locais como uma demonstração de desafio ao crescente avanço da China não ter dado os resultados que esperava e não ter conquistado o apoio público.

As eleições para governadores, líderes de condado e vereadores locais são desde sempre sobre questões de política doméstica, mas Tsai decidiu reformular a envolvente e apresentou-as como sendo mais que um voto local: seriam uma forma de dizer ao mundo que observa Taiwan e defende a sua democracia que a ilha se opõe às à China.

O principal partido da oposição, o Kuomintang, ou KMT, estava acabou por vencer – os votos ainda não estão todos contados, mas já saiu vitorioso em 13 dos 21 lugares de governador local, incluindo a capital, Taipei, com o DPP a arrecadar apenas cinco.

“Os resultados falharam as nossas expectativas. Aceitamos os resultados e aceitamos a decisão do povo de Taiwan”, disse Tsai na sede do partido depois de ao deixar o cargo de líder, o que ela também fez após os maus resultados de 2018 – que foram sensivelmente os mesmos, mas não tinham o peso da envolvente que Tsai Ing-wen introduziu desta vez.

“Não é que o DPP nunca tivesse falhado antes”, acrescentou Tsai, citada pela agência Reuters. A presidente mantém-se no cargo até 2024, tendo rejeitado sair apesar da insistência de alguns membros do seu gabinete, como foi o caso do primeiro-ministro Su Tseng-chang, também do DPP. Em resposta, a presidente pediu-lhe para não deixar o cargo.

Do outro lado do mar, o Gabinete de Assuntos de Taiwan da China disse que o resultado mostra que a opinião pública dominante é a favor da paz, da estabilidade e “de uma vida confortável”, e que Pequim continuará a trabalhar com o povo de Taiwan para promover relações pacíficas, mantendo a oposição à independência e à interferência estrangeira.

Recomendadas

Terramoto na Turquia: ministro promete punição por negligência

O ministro Bekir Bozdag disse que serão tomadas medidas para punir os que se podem tornar responsáveis pela devastação induzida pelos terramotos que assolaram o país. Falhas nas construções serão um dos alvos.

Eleições para a presidência do Montenegro: a Rússia contra a Europa

Com eleições presidenciais marcadas para 19 de março, os dois principais candidatos têm uma visão estratégica para o país e entendimentos geopolíticos diametralmente opostos. Mas nada indica que as eleições permitam ao país sair da crise política.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.
Comentários