Presidente deseja feliz Ano Novo ao povo ucraniano e agradece contributo para desenvolvimento de Portugal

“Assim correspondendo ao convite amigo do Presidente Zelensky, e agradecendo o contributo da numerosa e importante comunidade ucraniana para o desenvolvimento económico e social de Portugal”, referiu Marcelo Rebelo de Sousa.

Rui Ochoa / Presidência da República / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, desejou esta quarta-feira um feliz Ano Novo a todo o povo ucraniano e agradeceu o contributo desta comunidade para “o desenvolvimento económico e social de Portugal”.

Na mensagem divulgada em texto e vídeo no portal da Presidência da República na Internet, que o chefe de Estado tinha anunciado na terça-feira em entrevista à RTP, Marcelo Rebelo de Sousa não faz qualquer referência à morte do cidadão ucraniano Ihor Homeniuk em março, nas instalações do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) no aeroporto de Lisboa.

“Em nome de Portugal e de todo o povo português, quero desejar um feliz Ano Novo à Ucrânia e a todo o povo ucraniano, assim correspondendo ao convite amigo do Presidente Zelensky, e agradecendo o contributo da numerosa e importante comunidade ucraniana para o desenvolvimento económico e social de Portugal”, refere.

O Presidente da República manifesta ainda a certeza de que “Portugal e os portugueses farão o que estiver ao seu alcance” para que se alcance, no futuro, uma “ainda maior proximidade na Europa” entre os dois povos.

Na entrevista à RTP e questionado sobre o caso a morte do cidadão ucraniano, o chefe de Estado recusou responder se o ministro Administração Interna, Eduardo Cabrita, ficou com a sua autoridade diminuída, dizendo tratar-se de “comentário político”, mas disse querer dar “uma notícia”.

“O Presidente da Ucrânia, com quem vou falar amanhã [hoje], quer que eu envie uma mensagem de feliz Ano Novo para a Ucrânia, que eu vou gravar amanhã ou depois de amanhã”, disse.

Questionado se as palavras que usou sobre a necessidade de mudar de protagonistas após a morte de Ihor Homenyuk eram um convite à saída do ministro, Marcelo Rebelo de Sousa recusou essa interpretação.

“Não se aplica ao ministro, falei na administração pública, e tive o cuidado de dizer: se se apurar que não é um caso isolado”, referiu.

Ihor Homeniuk terá sido vítima das violentas agressões de três inspetores do SEF, acusados de homicídio qualificado, com a alegada cumplicidade ou encobrimento de outros 12 inspetores. O julgamento deste caso terá início em 20 de janeiro.

Nove meses depois do alegado homicídio, a diretora do SEF, Cristina Gatões, demitiu-se, após alguns partidos da oposição terem exigido consequências políticas deste caso, tendo o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, considerado que esta “fez bem em entender dever cessar funções” e que não teria condições para liderar o processo de restruturação do organismo.

Recomendadas

“Há interessados em criar Zonas Livres Tecnológicas para criptomoedas”, diz secretário de Estado da Digitalização

Mário Campolargo, em entrevista ao Jornal Económico, explica os objetivos do Governo em renovar a Estratégia de Blockchain e Web3 e garante que há interesse por parte de vários ‘players’ em testar moedas virtuais nos espaços livres de constrangimentos regulatórios.

PAN defende aposta nos transportes públicos e revisão dos escalões de IRS

A porta-voz do PAN, Inês Sousa Real, defendeu, este domingo, na proposta de Orçamento do Estado para 2023 o Governo deve apostar nos transportes públicos e na revisão dos escalões de IRS, além da valorização da proteção animal. “É fundamental que no Orçamento do Estado se garanta uma maior aposta nos transportes públicos, a revisão […]

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.
Comentários