Presidente do BCE diz que o euro tornou os europeus “mais fortes” contra as crises

O euro tornou os europeus “mais fortes” a lidar com as crises económicas, defendeu hoje a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, dando como exemplo a resposta europeia na pandemia de covid-19.

Forum BCE 2020 — Christine Lagarde
BCE

“Não há dúvida de que somos mais fortes graças ao euro”, escreveu Christine Lagarde num artigo de opinião publicado em alguns jornais europeus, nomeadamente o Frankfurter Rundschau (Alemanha), o Corriere della Sera (Itália) e o La Provence (França), por ocasião das celebrações do 20.º aniversário da moeda comunitária, assinalado no sábado.

Há 20 anos, 12 Estados-membros, entre os quais Portugal, abdicaram das respetivas moedas para adotar o euro, considerado um símbolo da unidade europeia, apesar das diferenças entre as diversas economias.

Ao longo de duas décadas, o euro enfrentou graves crises e a própria sobrevivência da moeda chegou a ser colocada em causa, mas a líder do BCE mostrou-se convencida de que “os recentes choques económicos teriam sido ainda mais difíceis sem a estabilidade e integração que o euro deu” ao mercado único.

O euro tem “desempenhado um papel fundamental na coordenação da resposta na Europa” desde o aparecimento da pandemia, segundo Christine Lagarde, que lembrou o trabalho do BCE para assegurar as condições de financiamento da economia face à necessidade de apoiar vários setores que ficaram fortemente afetados com a covid-19.

A presidente do BCE afirmou também que a instituição está a trabalhar “incansavelmente” para “proteger as notas contra a contrafação” e que é seu dever “estudar possíveis formas complementares de pagamento, como o euro digital”.

Em julho, o BCE anunciou o lançamento de uma fase de trabalho com vista à introdução do euro digital no prazo de cinco anos, em resposta à crescente desmaterialização dos pagamentos e à proliferação de criptomoedas.

Recomendadas

Joe Biden declara emergência para a Florida por causa da tempestade Ian

A tempestade tropical Ian, que se prevê possa converter-se em furacão, avança este domingo pelas Caraíbas em direção às Ilhas Caimão, numa trajetória que deverá levá-la ao oeste de Cuba e ao sudeste do Golfo do México no início da semana.

Eleições em Itália: Salvini confiante de que a Liga será uma das forças parlamentares “no pódio”

Nestas eleições, nas quais o bloco de direita, liderado por Meloni, é o favorito, cerca de 50 milhões de pessoas terão de ir às urnas, com mais de quatro milhões de italianos no exterior.

São Tomé/Eleições: PM são-tomense espera eleições ordeiras e “com toda a transparência”

O chefe do executivo afirmou que “o processo na sua globalidade está a decorrer” conforme as expectativas “e fazendo jus à tradição democrática que se vive em São Tomé e Príncipe”, apesar de um protesto na localidade do Bairro do Hospital por falta de água potável na zona.
Comentários