Presidente do BCP diz esperar que Sonangol “continue a ser uma boa parceira”

Questionado pela Lusa sobre possíveis mudanças na estrutura acionista, Nuno Amado recusou-se a fazer comentários.

O presidente do Millennium BCP, Nuno Amado, disse hoje, a propósito das mudanças na administração Sonangol, que esta é uma “boa parceira” da instituição bancária e espera que “continue a ser”.

“A Sonangol está muito bem, produz petróleo em Angola e é uma boa parceira do BCP. Tem sido uma ótima parceria do BCP e espero que continue a ser”, declarou Nuno Amado, quando questionado pela agência Lusa sobre as alterações feitas pelo novo Presidente de Angola, João Lourenço, na gestão de empresas públicas angolanas, que incluíram a retirada da Sonangol e do canal público de televisão dos filhos do seu antecessor, José Eduardo dos Santos.

Isabel dos Santos, juntamente com a restante administração da Sonangol – Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola, foi exonerada das funções na quarta-feira por decisão de João Lourenço, que colocou no seu lugar Carlos Saturnino, até agora secretário de Estado dos Petróleos.

A Sonangol ocupa o segundo lugar na estrutura acionista do BCP, com 15,24% do capital, sendo apenas ultrapassada pelo grupo chinês Fosun, com uma participação de 25,16%.

Questionado pela Lusa sobre possíveis mudanças nesta estrutura, Nuno Amado recusou-se a fazer comentários.

O responsável, que falava à margem da conferência “Avanço da Economia Digital em Portugal”, que decorreu em Lisboa, frisou que “o banco [Millennium BCP] sempre foi inovador e sempre apostou na diferenciação e em ser moderno” e aludiu a exemplos como a “posição no ActivoBank ou pelo facto de muitas sucursais serem completamente diferentes, […] muito mais eficientes”.

“Também se vê ao nível das muitas coisas que temos colocado ao serviço dos nossos clientes, mas não tem sido suficiente”, admitiu.

Por essa razão, em 2018 o BCP vai “acelerar muito a mudança, quer do ponto de vista interno, quer no ponto de vista da relação com o cliente nas componentes digitais e de simplicidade”, vincou o presidente daquela instituição bancária.

Nuno Amado precisou que “entre 35% e 40% dos clientes usa o digital”, correspondente a 800 mil.

O objetivo é que esta percentagem aumente “de forma clara” no próximo ano, segundo o responsável, que não estipulou metas.

Relacionadas

Sonangol tem reforçado no BCP a caminho dos 20%

A autorização do BCE para a Sonangol ir até 30% do capital caduca em dezembro. Os angolanos têm reforçado e deverão ultrapassar os 20% de modo a não perder a autorização do banco central. No imediato, não deverá haver mexidas na administração.
Recomendadas

MDS compra mediadora Pacific Insurance

A MDS comprou a Pacific Insurance e desta forma anexa 4 milhões de euros em prémios à sua carteira de seguros.

“Não vejo as fintech como uma grande ameaça à banca”. Veja a entrevista ao CEO da Nickel, Thomas Courtois

A Nickel quer abrir 2.500 balcões e alcançar 450 mil clientes em Portugal nos próximos cinco anos, mas o CEO da fintech francesa não se compromete a manter a anuidade de 20,80 para sempre. A crise na banca abriu a porta a novos players, mas coexistência é possível, diz em entrevista à JE TV.

Justiça suíça abre processo sobre fuga de informação no Credit Suisse

Em fevereiro de 2022 foram expostas mais de 18 mil contas do Credit Suisse que estarão ligadas a empresários sobre os quais recaem sanções ligadas à violação dos direitos humanos, e pessoas envolvidas em esquemas de fraude.
Comentários