Presidente do BIC e o interesse no Novo Banco: “Não podemos ter mais olhos que barriga”

O presidente do Banco BIC Angola, Fernando Teles, considerou em Lisboa que a entidade que lidera não tem dimensão suficiente para se lançar na corrida à compra do Novo Banco, admitindo analisar apenas a possível venda de balcões. “Não podemos ter mais olhos que barriga”, afirmou o gestor à margem de um evento em Lisboa, […]

O presidente do Banco BIC Angola, Fernando Teles, considerou em Lisboa que a entidade que lidera não tem dimensão suficiente para se lançar na corrida à compra do Novo Banco, admitindo analisar apenas a possível venda de balcões.

“Não podemos ter mais olhos que barriga”, afirmou o gestor à margem de um evento em Lisboa, depois de questionado pelos jornalistas sobre um possível interesse do BIC Angola – entidade ‘gémea’ ao nível da estrutura acionista do BIC Português, que adquiriu o Banco Português de Negócios (BPN) ao Estado – no banco de transição que resultou da medida de resolução imposta pelo Banco de Portugal ao Banco Espírito Santo (BES).

“O Novo Banco é para ser adquirido por bancos com outra dimensão”, reconheceu, não descartando, contudo, a possível aquisição de agências que o futuro dono do Novo Banco possa vir a alienar.

“Se tiver balcões à venda, então analisamos”, sublinhou.

Os líderes do Banco BPI e do Santander Totta já revelaram publicamente que vão analisar a possibilidade de compra do Novo Banco, cujo acionista é atualmente o Fundo de Resolução.

Este processo só avança depois de concluídos os trabalhos de avaliação de ativos do Novo Banco, ainda em curso, que vão permitir definir o balanço zero da instituição.

OJE/Lusa

 

Recomendadas

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.

Cenário económico não anula metas de descarbonização

O cenário de uma possível recessão, associada à já frágil conjuntura macroeconómica, não assusta o sector, que diz estar “bem mais preparado” do que em 2008. As fragilidades herdades da pandemia persistem, mas importa não perder o foco das metas estabelecidas.